fbpx
Wikipedia

Rio de Janeiro (estado)

Coordenadas: 22° 55' S43° 11' O

Nota: Este artigo é sobre o estado. Para a capital, veja Rio de Janeiro. Para outros significados, veja RJ (desambiguação).
Esta página cita fontes, mas estas não cobrem todo o conteúdo. Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: (, e ) (Janeiro de 2020)
Estado do Rio de Janeiro
Lema: RECTE REM PVBLICAM GERERE
(traduzido do latim, significa: "Gerir a Coisa Pública com Retidão")
Hino: Hino do Rio de Janeiro
Gentílico: fluminense


Localização
- Região Sudeste
- Estados limítrofes Espírito Santo (nordeste), Minas Gerais (noroeste) e São Paulo (sudoeste)
- Regiões geográficas
intermediárias
5
- Regiões geográficas
imediatas
14
- Municípios 92
Capital Rio de Janeiro
Governo
- Governador(a) Cláudio Castro (PL)
- Vice-governador(a) cargo vago ()
- Deputados federais 46
- Deputados estaduais 70
- Senadores Carlos Portinho (PL)
Flávio Bolsonaro (Patriota)
Romário (PL)
Área
- Total 43 780,172 km² (24º)
População 2021
- Estimativa 17 463 349 hab. ()
- Densidade 398,89 hab./km² ()
Economia 2018
- PIB R$ 758.859 bilhões ()
- PIB per capita R$ 44 222 ()
Indicadores 2016/2017
- Esperança de vida (2017) 76,5 anos ()
- Mortalidade infantil (2017) 11,1‰ nasc. (20º)
- Alfabetização (2016) 97,3% ()
- IDH (2017) 0,796 () – alto
Fuso horário UTC−3
Clima tropical
tropical de altitude Aw, Cwa
Cód. ISO 3166-2 BR-RJ
Site governamental


Rio de Janeiro é uma das 27 unidades federativas do Brasil. Situa-se a sudeste da região Sudeste do país, tendo como limites os estados de Minas Gerais (norte e noroeste), Espírito Santo (nordeste) e São Paulo (sudoeste), além do Oceano Atlântico (leste e sul). Ocupa uma área de 43 780,172 km². Os naturais do estado do Rio de Janeiro são chamados de fluminenses (do latim flume, literalmente "rio").

A cidade mais populosa é a sua capital homônima, que também é a segunda maior metrópole do Brasil. Apesar de ser, em termos de território, o terceiro menor estado brasileiro (ficando à frente apenas de Alagoas e Sergipe), concentra 8,4% da população do país, sendo o estado com maior densidade demográfica do Brasil. Segundo dados do Censo 2010, o estado é o terceiro mais populoso do Brasil, atrás de São Paulo e Minas Gerais. A estimativa populacional calculada pelo IBGE, tendo como referência em 1° de julho de 2021, foi de 17 463 349 habitantes.

O produto interno bruto (PIB) do estado é o segundo maior do país, enquanto o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) fluminense é o quarto mais elevado do Brasil. Além disso, o Rio de Janeiro apresenta a terceira maior taxa de alfabetização do país, somente atrás de Santa Catarina e Distrito Federal.

O estado é formado por duas regiões morfologicamente distintas: a baixada e o planalto, que se estendem, como faixas paralelas, do litoral para o interior. Paraíba do Sul, Macaé, Guandu, Piraí, Muriaé e Carangola são os principais rios. O clima varia de tropical a subtropical. Há ocorrência de geadas, nos meses de inverno, em regiões acima dos mil metros de altitude e inclusive queda de neve esporádica no Parque Nacional de Itatiaia. O litoral fluminense também o terceiro mais extenso do país, atrás das costas de Bahia e Maranhão.

Índice

Ver artigo principal: História do Rio de Janeiro

Primeiros povos e colonização portuguesa

Baía de Guanabara na época da França Antártica.
Forte de São Mateus, em Cabo Frio, uma das fortificações construídas pelos portugueses no litoral fluminense.

O continente americano já era habitado desde pelo menos 10 000 a.C. por povos provenientes de outros continentes. Por volta do ano 1000, o litoral do Estado, com exceção da região da foz do Rio Paraíba do Sul, foi invadida por povos tupis provenientes da Amazônia.

À época do estabelecimento do sistema de Capitanias Hereditárias no Brasil, a região da baía do Rio de Janeiro (mais tarde, renomeada para baía de Guanabara) foi entregue a Martim Afonso de Souza e compunha o 1º lote ou a porção setentrional da Capitania de São Vicente, cujo território ia da atual cidade de Macaé até a atual cidade de Caraguatatuba, e era separada do 2º lote ou da porção meridional da Capitania de São Vicente pela Capitania de Santo Amaro (de Caraguatatuba a Bertioga). A região norte do atual Estado do Rio de Janeiro compunha a Capitania de São Tomé ou Capitania da Paraíba do Sul, e foi entregue inicialmente a Pero de Góis.

No entanto, as primeiras tentativas de colonização portuguesa tanto na parte setentrional de São Vicente quanto em São Tomé acabaram fracassando, em virtude da hostilidade dos tamoios (os índios tupinambás da Guanabara) e dos goitacás (índios tapuias da região de Campos). Em 1555, os tamoios fizeram uma aliança com a coroa francesa e autorizaram que os franceses estabelecessem uma colônia na margem ocidental da baía de Guanabara, sob o comando do almirante e cavaleiro templário Nicolas Durand de Villegagnon. Essa colônia recebeu o nome de "França Antártica" e tinha como capital Henriville (cidade de Henrique), localizada no atual bairro do Flamengo na Zona Sul da capital fluminense.

Visando a evitar esta ocupação e a assegurar a posse do território para a Coroa Portuguesa, foi fundada a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, em 1.º de março de 1565, por Estácio de Sá, no morro do Cara de Cão, na atual bairro da Urca. Estácio de Sá pode ser considerado o primeiro governador-geral do Rio de Janeiro, no período colonial. Entre o grupo de fundadores, incluía-se também Dom Antônio de Mariz e o Padre José de Anchieta, que participou dos preparativos para a tomada do Rio de Janeiro e mais tarde da organização das primeiras vilas no recôncavo da Guanabara e na sua margem oriental, como, por exemplo, a vila de São Lourenço dos Índios do Rio de Janeiro (atual cidade de Niterói). Como a região foi recuperada por uma conquista bélica patrocinada pela coroa, a sua propriedade foi revertida para a família real portuguesa (deixando de ser, portanto, uma capitânia hereditária da família Souza). Em decorrência desse fato, a Capitânia de São Vicente Setentrional passou a chamar-se Capitania Real do Rio de Janeiro, tornando-se a segunda capitânia real da América Portuguesa (após a da Bahia de Todos os Santos, em 1548). Diferentemente das capitanias donatárias, as capitanias reais possuíam administradores indicados pela coroa e não proprietários.

Rua da cidade histórica de Paraty inundada pela maré alta. Ao fundo, a Igreja de Santa Rita de Cássia.

No século XVI, a pecuária e a lavoura de cana-de-açúcar impulsionaram o progresso, definitivamente assegurado quando o porto começou a exportar o ouro extraído de Minas Gerais, noséculo XVII. Entre 1583 e 1623, a área de maior destaque de produção de açúcar, no sul do Brasil, se deslocou de São Vicente para o Rio de Janeiro, na região da baía de Guanabara. Se, em 1629, havia sessenta engenhos em produção no Rio de Janeiro, em 1639, já havia 110 engenhos e o Rio de Janeiro passou a fornecer açúcar a Lisboa, devido à tomada de Pernambuco durante as invasões neerlandesas. Ao final do século, havia 120 engenhos na região.

Com o crescimento dos engenhos e alambiques do Rio, aumentou a imigração portuguesa para a cidade. É por volta dessa época que os naturais da Capitânia do Rio de Janeiro começam a ser chamados popularmente de "cariocas", em particular, os trabalhadores braçais urbanos livres (pedreiros, pintores, ourives e etc). O termo carioca era utilizado pelos imigrantes brancos da capitânia para se distinguir dos cidadãos mestiços, como lembra a profª Armelle Enders, brasilianista francesa: "No século XVII, os portugueses instalados no Rio recorrem de bom grado a essa alcunha [carioca] para designar os seus compatriotas naturais do lugar e sublinhar-lhes a forte mestiçagem ameríndia".

Com a restauração da Independência Portuguesa, em 1640, os comerciantes e donos de embarcações receberam permissão de comercializar diretamente com a África a partir do porto do Rio de Janeiro, visando, complementarmente, ao tráfico de escravos para o rio da Prata. O ciclo da prata levou a um rápido desenvolvimento econômico da cidade do Rio de Janeiro, levando a cidade a se tornar no século seguinte o principal elo logístico do Império português. Tal comércio foi bastante impactado pela tomada de Angola pelos neerlandeses na mesma época. A utilização de escravos indígenas foi ampliada, mas os comerciantes e proprietários tiveram que se indispor com os jesuítas por causa das proibições papais relativas à escravização dos índios.

A Carta Régia de 30 de junho de 1642, passada pela Chancelaria deD. João IV, outorgou o título de "a muy heróica e leal cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro", conferindo aos cidadãos do Rio o título de "homens bons do Porto", o que lhe assegurava os mesmos direitos e privilégios dos cidadãos de Lisboa e do Porto.

Transferência da corte portuguesa e século XIX

Petrópolis em 1889.
Mapa do Estado do Rio de Janeiro, 1892. Arquivo Nacional.
Fazenda de café em Paty do Alferes.

Em 1763, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se a sede do vice-reino do Brasil e a capital da colônia. Com a transferência da corte portuguesa para o Brasil, em 1808, na época da tomada da Península Ibérica por Napoleão Bonaparte, a região foi muito beneficiada com reformas urbanas para abrigar a Corte portuguesa. Dentro das mudanças promovidas, destacam-se: a transferência de órgãos de administração pública e justiça, a criação de novas igrejas, hospitais, quartéis, fundação do primeiro banco do país — o Banco do Brasil — e a Imprensa Régia, com a Gazeta do Rio de Janeiro. Nos anos seguintes também surgiram o Jardim Botânico, a Biblioteca Real (hoje Biblioteca Nacional) e a Academia Real Militar, antecessora da atual Academia Militar das Agulhas Negras. Assim, ocorreu um processo cultural, influenciado não somente pelas informações trazidas pela chegada da corte e da família real, mas também pela presença de artistas europeus que foram contratados para registrar a sociedade e natureza brasileira. Nessa mesma época, nasceu a Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios.[carece de fontes?]

Após a transferência da Corte portuguesa para o Brasil, a administração da capitania do Rio de Janeiro passou a ser confiada ao ministro do Reino, cargo que foi praticamente um substituto para o de Vice-Rei, pois lhe era confiada a sua administração. Em 1821, pouco após o início da Revolução Liberal do Porto, as Cortes Gerais decidem elevar as capitanias à condição de províncias, o que também ocorre no Brasil, quando então nasce a Província do Rio de Janeiro. A despeito disto, o ministro e secretário de Estado dos Negócios do Império, cargo substituto do ministro do Reino português, continuaria a administrá-la, mesmo após a Independência do Brasil, ocorrida no ano seguinte. Aliado a isto, estava o fato de que a cidade do Rio de Janeiro era a capital do Império, o que fazia com que o ministro administrasse a província inteira por meio de "avisos", os quais dirigia às Câmaras Municipais de cidades que, naquela época, começavam a crescer a passos largos devido a ampliação e fortalecimento da lavoura cafeeira no Vale do Paraíba, que já sobrepujava a força da lavoura canavieira na região Norte Fluminense.[carece de fontes?]

As diferenças com relação às demais unidades administrativas do Brasil fez com que no ano de 1834 o município do Rio de Janeiro fosse transformado em Município Neutro, permanecendo como capital do império, enquanto a província passou a ter a mesma organização político-administrativa das demais, com um presidente escolhido pelo imperador e uma Assembleia Legislativa, tendo sua capital na Vila Real da Praia Grande, que no ano seguinte passou a se chamar Niterói, enquanto a cidade do Rio de Janeiro passou a ter uma Câmara Municipal, que cuidaria da vida daquela cidade sem interferência do presidente de província e, em 1889, após a implantação da República no Brasil, a cidade continuou como capital do país, sendo o Município Neutro transformado em Distrito Federal.

A despeito da grande rotatividade ocorrida no poder da província fluminense logo após a criação do Município Neutro (que lhe deu 85 governantes até o fim do império), a expansão da lavoura cafeeira trouxe prosperidade nunca antes alcançada nesta região. A ferrovia construída por António Clemente Pinto, Barão de Nova Friburgo, ligando Cantagalo ao Porto das Caixas, é um exemplo do poder econômico que alavancou a exploração desta atividade nos sertões da serra fluminense. Tanto com o surgimento de novos centros urbanos pela província, quanto pelo esplendor exibido nas fazendas dos "barões do café" via-se a prosperidade trazida pelo "ouro verde", que também trouxe o desenvolvimento da educação, notado pela construção de várias escolas por todas as cidades. Nesse período, a província se tornou a mais rica e poderosa no país e sua principal exportadora. Essa situação perdurou até por volta de 1888. Com a abolição da escravatura, a aristocracia fluminense se empobrece, já que não tem mais sua mão de obra e ainda vê a exaustão do solo e a redução das safras colhidas ano após ano.[carece de fontes?]

Século XX

Estação das barcas de Niterói, década de 1940. Arquivo Nacional.
Carlos Frederico Werneck de Lacerda, governador da Guanabara, comemora a criação do estado no Palácio Tiradentes.

A decadência foi a tônica na província nos últimos dias do regime imperial. Na luta pela República, vários foram os fluminenses que se distinguiram, cabendo citar Antônio da Silva Jardim, Lopes Trovão, Rangel Pestana, entre outros. Também forte foi a presença na campanha abolicionista. Com a proclamação da República, logo ocorreram problemas políticos que foram, com o tempo, lhe retirando a grandeza e o destaque conseguidos durante o Império. Após a aprovação da sua primeira Constituição Estadual, em 9 de abril de 1892, a capital foi transferida para a cidade de Petrópolis, devido às agitações que ocorreram durante o governo do Marechal Floriano Peixoto nas cidades do Rio de Janeiro e de Niterói, e também à Revolta da Armada, ocorrida naquela época. Após diversos anos em que lutas políticas fizeram o estado perder o rumo administrativo, fato comprovado pela dualidade de Assembleias Legislativas por três períodos, estas fazem aumentar ainda mais a crise econômica fluminense, que se arrasta de tal maneira a transformar, gradualmente, suas plantações de café em pastagens para a pecuária e a fazer com que o mesmo não acompanhe o desenvolvimento industrial experimentado pelo vizinho São Paulo.[carece de fontes?]

Com a chegada de Getúlio Vargas ao poder, vários interventores foram nomeados, o que não alterou o quadro socioeconômico fluminense até que, em 1937, é nomeado Ernani do Amaral Peixoto, genro de Vargas (este casou-se com Alzira Vargas em 1939) e que pôde realizar muito pelo estado, dando incentivo ao seu desenvolvimento industrial com a construção da Companhia Siderúrgica Nacional, em Volta Redonda, no Vale do Paraíba fluminense, da Companhia Nacional de Álcalis, em Arraial do Cabo, na Região dos Lagos e da Fábrica Nacional de Motores, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, bem como a expansão da malha rodoviária estadual.[carece de fontes?]

Amaral Peixoto ainda mobilizou a população fluminense no esforço de guerra, o que resultou na aquisição com os recursos arrecadados, de um novo navio para a Marinha de Guerra brasileira. Data desse período, também, a formação de várias instituições de ensino superior e centros de estudo sobre a cultura e história fluminenses, que procuravam resgatar a memória e construir uma identidade para a população do estado, esvaziado econômica e politicamente desde o fim do Segundo Império. Com a queda de Vargas, Peixoto foi afastado do comando do Estado e cinco interventores sucederam-se no governo fluminense até a eleição, em 1947 de Edmundo de Macedo Soares e Silva, construtor da usina da cidade de Volta Redonda, que reorganizou a administração e as finanças estaduais, bem como continuou o incentivo à industrialização e à produção agropecuária. Foi sucedido, entretanto, por Amaral Peixoto, que dá nova força à expansão industrial e rodoviária, datando desse período a criação da Companhia Nacional de Álcalis.[carece de fontes?]

Em 1960, com a mudança da capital do país para a nova cidade de Brasília, o antigo Distrito Federal tornou-se o estado da Guanabara. Até o ano de 1964, os governos estaduais procuram dinamizar a economia fluminense, reformando a estrutura do estado, organizando sua educação superior (cria-se em 1960 a "Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro", posteriormente Universidade Federal Fluminense), melhorando a infraestrutura elétrica (é desse período a criação das Centrais Elétricas Fluminenses, posteriormente Companhia de Eletricidade do Estado do Rio de Janeiro) e dando nova feição à cidade de Niterói. Após o Golpe de Estado no Brasil em 1964, o governador Badger da Silveira, recém-eleito em 1963, foi afastado do cargo, sendo substituído pelo general Paulo Torres, que tratou de criar a Companhia de Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro.[carece de fontes?]

Reunificação

Niterói foi a capital do estado até 1975, ano da fusão do Estado do Rio de Janeiro com o Estado da Guanabara.

Após a edição da Lei Complementar nº 20 em 1974, assinada pelo presidente Ernesto Geisel, reunificaram-se, após 140 anos de separação, os estados da Guanabara e do Rio de Janeiro em 15 de março de 1975. A capital do estado passou a ser o município do Rio de Janeiro, voltando-se a situação político-territorial anterior a 1834, ano da criação do Município Neutro. Foram mantidos ainda os símbolos do estado do Rio de Janeiro, enquanto os símbolos do antigo estado da Guanabara passaram a ser os símbolos do município do Rio de Janeiro. Por imposição do regime militar, o gentílico carioca foi reduzido a gentílico municipal da cidade do Rio de Janeiro, embora a maioria da população do Estado do Rio de Janeiro se declare como "carioca". Atualmente, movimentos sociais tentam obter o reconhecimento de carioca como gentílico cooficial do novo Estado do Rio de Janeiro.

Alguns alegam que a motivação por trás do presidente Ernesto Geisel para a fusão foi neutralizar a força oposicionista do Movimento Democrático Brasileiro no estado da Guanabara. O estado do Rio de Janeiro, tradicionalmente foi considerado um polo de conservadorismo, vide governos sucessivos do Partido Social Democrático e posteriormente da Aliança Renovadora Nacional, apesar da grande força do Partido Trabalhista Brasileiro (que elegeu os dois últimos governadores antes de 1964), e depois do Movimento Democrático Brasileiro nessa região, o que levou à errônea conclusão que esta viria a neutralizar a oposição emedebista guanabarina, evitando maiores problemas para o governo militar, que acaba por indicar como primeiro governador do novo estado o almirante Floriano Peixoto Faria Lima. Apesar de Faria Lima assumir o estado com promessas do governo federal de maciços investimentos, a fim de compensar os problemas que poderiam advir da fusão, esses não se concretizaram plenamente, mesmo com a implantação das usinas nucleares em Angra dos Reis e a expansão da Companhia Siderúrgica Nacional, o que acarretou problemas que viriam a ser sentidos, principalmente nas áreas de habitação, educação, saúde e segurança partir da década de 1980.[carece de fontes?]

Com a abertura política e a volta das eleições diretas para governador, os fluminenses elegem Leonel de Moura Brizola (Partido Democrático Trabalhista) em 1982, exilado político desde 1964 que voltava ao Brasil com a bandeira do trabalhismo varguista, o que conquistou o eleitorado insatisfeito com o segundo governo de Chagas Freitas. Em seu primeiro governo, Leonel Brizola constrói o Sambódromo e dá início aos Centros Integrados de Educação Pública (CIEPs), escolas projetadas por Oscar Niemeyer e idealizadas pelo professor Darci Ribeiro para funcionarem em tempo integral. A crescente crise na área da segurança pública e os desgastantes atritos com as Organizações Globo (atual Grupo Globo) acabaram por impedir que ele fizesse seu sucessor.

Nas eleições de 1986, Moreira Franco foi eleito governador pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro numa ampla aliança antibrizolista, que ia do Partido da Frente Liberal ao Partido Comunista do Brasil. Moreira teve a ajuda do Plano Cruzado, plano econômico lançado no governo do presidente José Sarney que visava o controle da inflação e que malogrou ante a acusação, por parte da oposição, de ter sido eleitoreiro. A decepção com o governo Moreira Franco, que não cumpriu a promessa de acabar com a violência em seis meses, levou o eleitorado fluminense a eleger Leonel Brizola novamente, em 1990. Em seu segundo mandato, Brizola concluiu os Centros Integrados de Educação Pública (CIEP), construiu a Via Expressa Presidente João Goulart, a Universidade Estadual do Norte Fluminense, ampliou o sistema de abastecimento hídrico do Rio Guandu e deu início ao Programa de Despoluição da Baía de Guanabara. Porém os problemas crônicos na área de segurança, bem como nas contas públicas estaduais, fizeram o estado sofrer uma "intervenção branca" do governo federal no ano de 1992, durante a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento e, também, no ano de 1994. A utilização de tropas das Forças Armadas no patrulhamento das ruas da capital fluminense foi amplamente apoiada pela população.

Em meio a esses problemas, Brizola renunciou ao mandato a fim de concorrer às eleições presidenciais. O governo estadual foi assumido pelo seu vice, Nilo Batista, que, após 8 meses, passou o comando para Marcello Alencar, eleito pelo Partido da Social Democracia Brasileira em 1994 graças ao bom desempenho de sua passagem pela prefeitura da cidade do Rio de Janeiro e ao sucesso do Plano Real. Marcello retomou as obras do metrô, paralisadas desde a gestão de Moreira Franco, construiu a Via Light, ligando o Rio de Janeiro a Nova Iguaçu, e implementou uma política de segurança pública mais voltada ao confronto armado, o que acabou por gerar antipatia da população de baixa renda, mais exposta aos enfrentamentos entre a polícia e bandidos.[carece de fontes?]

Na eleição seguinte, Anthony Garotinho, apadrinhado à época por Brizola e que, anteriormente, havia perdido a eleição para Alencar, foi eleito governador pelo Partido Democrático Trabalhista, apoiado por uma aliança de esquerda que incluiu, como vice na chapa, a então senadora Benedita da Silva, do Partido dos Trabalhadores, que o substituiu em 2002, quando ele também renunciou, como Brizola, visando à corrida presidencial. Benedita assumiu em meio a problemas de ordem política — Garotinho rompeu a aliança com o Partido dos Trabalhadores, sob acusações de fisiologismo — e fiscal que acabaram por impedi-la de se reeleger, sendo derrotada por Rosinha Garotinho, esposa de Anthony Garotinho, que procurou, após eleita, manter o estilo por vezes controvertido de governar de seu marido, enfrentando ainda duras críticas com relação à situação da segurança pública.[carece de fontes?]

Nas eleições de 2006, o eleitorado fluminense elegeu Sérgio Cabral Filho como o novo governador. A vitória ocorreu no segundo turno, após vencer a ex-juíza Denise Frossard, apoiada por Cesar Maia. Apesar de pertencer ao mesmo partido de Garotinho e Rosinha (Partido do Movimento Democrático Brasileiro), Cabral vinha dissociando, desde a campanha, sua imagem da do casal. A aproximação com o presidente Lula, a nomeação de Benedita da Silva e Joaquim Levy para o seu secretariado e a extinção de projetos como o Cheque-Cidadão e Jovens pela Paz (considerados como marcas registradas do período Garotinho/Rosinha) foram atitudes tomadas por Cabral que sinalizam este distanciamento, mas que permitiram, ao mesmo, alcançar a reeleição no ano de 2010.[carece de fontes?]

Imagem de satélite do território fluminense.

O estado do Rio de Janeiro faz parte do bioma da Mata Atlântica brasileira, tendo em seu relevo montanhas e baixadas localizadas entre a Serra da Mantiqueira e Oceano Atlântico, destacando-se pelas paisagens diversificadas, com escarpas elevadas à beira-mar, restingas, baías, lagunas e florestas tropicais. Fazendo divisa com os estados de Espírito Santo, São Paulo e Minas Gerais, o Rio de Janeiro é um dos menores estados do país e o menor da região Sudeste. O município mais setentrional do estado é Porciúncula e o mais meridional Paraty. Possui uma costa com 635 quilômetros de extensão, banhados pelo Oceano Atlântico, sendo superada em tamanho apenas pelas costas da Bahia e Maranhão.[carece de fontes?]

Solos e relevo

De um modo geral, os solos fluminenses são relativamente pobres. Os solos mais propícios à utilização agrícola encontram-se em Campos dos Goytacazes, Cantagalo, Cordeiro e em alguns municípios do vale do Rio Paraíba do Sul. Existem no estado duas unidades de relevo: a Baixada Fluminense, que corresponde às terras situadas em geral abaixo de duzentos metros de altitude e o planalto ou Serra Fluminense, acima de trezentos metros.[carece de fontes?]

A Baixada Fluminense acompanha todo o litoral e ocupa cerca de metade da superfície do estado. Apresenta largura variável, bastante estreita entre as baías da Ilha Grande e de Sepetiba, alargando-se progressivamente no sentido leste, até o Rio Macacu. No trecho que passa pela capital, erguem-se os maciços da Tijuca e da Pedra Branca, que atingem altitudes um pouco superiores a mil metros. Da Baía da Guanabara até Cabo Frio, a baixada volta a estreitar-se numa sucessão de pequenas elevações, de duzentos a quinhentos metros de altura, os chamados maciços litorâneos fluminenses. A partir de Cabo Frio, alarga-se novamente, alcançando suas extensões máximas no delta do Rio Paraíba do Sul.[carece de fontes?]

Os principais acidentes geográficos do estado são a Serra do Mar e a Serra da Mantiqueira. A primeira recebe diversas denominações locais: Serra dos Órgãos, Serra das Araras, Serra da Estrela e Serra do Rio Preto. Seu ponto culminante é o Pico Maior de Friburgo, a 2.316 metros de altitude. A serra da Mantiqueira cobre o noroeste do estado, ao norte do vale do Rio Paraíba do Sul, sendo paralela à Serra do Mar. É lá que se encontra o pico das Agulhas Negras, ponto culminante do estado a 2.791 metros acima do nível do mar, no município de Itatiaia. Entre as duas serras está o vale do rio Paraíba do Sul, onde a média de altitude cai para 250 metros. A nordeste, observa-se uma série de morros e colinas de baixas altitudes.[carece de fontes?]

Vegetação

A vegetação original do estado inclui a Mata Atlântica, restingas, manguezais e campos de altitude. Devido à ocupação agropastoril, o desmatamento a modificou sensivelmente.

Atualmente, as florestas ocupam um décimo do território fluminense, concentrando-se principalmente nas partes mais altas das serras. Há grandes extensões de campos produzidos pela destruição, próprios para a pecuária, e, no litoral e no fundo das baías, registra-se a presença de manguezais (conjunto de árvores chamadas mangues, que crescem em terrenos lamacentos).[carece de fontes?]

As principais unidades de conservação do estado são os parques nacionais da Tijuca, de Itatiaia, da Serra da Bocaina, da Serra dos Órgãos e da Restinga de Jurubatiba, os parques estaduais da Pedra Branca, da Ilha Grande e dos Três Picos e a Área de Proteção Ambiental de Guapimirim.[carece de fontes?]

Hidrografia

O Rio Paraíba do Sul é o principal rio do estado. Nasce em Taubaté, no estado de São Paulo, e desemboca no Oceano Atlântico — como a maior parte dos rios fluminenses —, na altura do município de São João da Barra. Seus principais afluentes, no estado, são o Paraibuna, Pomba e o Muriaé que possui um importante afluente, o Carangola, subafluente do rio Paraíba do Sul, pela margem esquerda, o Piabinha e o Piraí pela margem direita.

Além do Paraíba do Sul, destacam-se, de norte para sul, os rios Itabapoana, que marca fronteira com o Espírito Santo, o Macabu, que deságua na Lagoa Feia, o Macaé, o São João, o rio Macacu, o Magé e o Guandu.Os principais acidentes são a Baía da Ilha Grande, a Ilha Grande, a Restinga da Marambaia, a Baía de Sepetiba e a Baía de Guanabara, onde se destaca na paisagem a Enseada de Botafogo. Há um total de 365 ilhas espalhadas pela costa somente no município de Angra dos Reis e 65 na baía de Paraty.[carece de fontes?]

O litoral fluminense é pontilhado por numerosas lagoas, antigas baías fechadas por cordões de areia. As mais importantes são as lagoas Feia, a maior do estado, Saquarema, Maricá, Marapendi, Jacarepaguá e Rodrigo de Freitas, as três últimas no município do Rio de Janeiro. O estado ainda conta com a maior laguna hipersalina do mundo, a Laguna Araruama, que é chamada de lagoa por alguns por um erro, pois, além de ser salobra, tem ligação com o mar através do Canal do Itajuru.[carece de fontes?]

Clima

Rio de Janeiro de acordo com a classificação climática de Köppen.

Predominam no estado do Rio de Janeiro os climas tropical (nas baixadas) e tropical de altitude (nos planaltos). Na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, domina o clima tropical semiúmido, com chuvas abundantes no verão, que é muito quente e invernos secos, com temperaturas amenas. A temperatura média anual é de 22 °C a 24 °C e o índice pluviométrico fica entre 1 000 a 1 500 milímetros anuais. Nos pontos mais elevados da Região Serrana, observa-se o clima tropical de altitude, mas com verões um pouco quentes e chuvosos e invernos frios e secos. A temperatura média anual é de 16 °C. Na maior parte da Serra Fluminense, o clima também é tropical de altitude, mas com verões variando entre quentes e amenos e na maioria das vezes, chuvosos, e invernos frios e secos, com índice pluviométrico elevado, se aproximando dos 2.500 mm anuais em alguns pontos.[carece de fontes?]

Nas Baixadas Litorâneas, a famosa Região dos Lagos, o clima é tropical marítimo, com média anual de cerca de 24 °C com verões moderadamente quentes, mas amenizados devido ao vento do mar e invernos amenos. É devido ao vento frio trazido pela Corrente das Malvinas que esta região é uma das mais secas do Sudeste, com precipitação anual de apenas cerca de 750 mm em cidades como Arraial do Cabo, Armação dos Búzios e São Pedro da Aldeia, e não passando de cerca de 1 100 mm nas cidades mais chuvosas da região, como Saquarema por exemplo. Ocasionalmente, podem ocorrer precipitações de neve nas partes altas da Serra da Mantiqueira, dentro dos limites Parque Nacional de Itatiaia. Em 1985, foi registrada uma abundante nevada nas proximidades deste pico, com acumulações de um metro em certos pontos.

Crescimento populacional
Censo Pop.
18721 057 696
18901 399 53532,3%
19001 737 47824,1%
19202 717 24456,4%
19403 611 99832,9%
19504 674 64529,4%
19606 709 89143,5%
19709 110 32435,8%
198011 489 79726,1%
199112 783 76111,3%
200014 367 08312,4%
201015 989 92911,3%
Est. 202017 366 1898,6%
Fonte:
Ver artigo principal: Demografia do Rio de Janeiro

Religião

De acordo com o censo demográfico de 2010, da população total do estado, existiam 7 324 315 católicos (45,8%), 4 696 906 evangélicos (29,4%), 647 572 espíritas (4%), e 2 416 303 pessoas sem religião (14,6%). Existem ainda, adeptos aos islamismo, judaísmo, budismo, hinduísmo, esoterismo e neo-paganismo. Juntos, os adeptos destas e outras religiões minoritárias somam 711 651 pessoas (4,3%).

O Rio de Janeiro é o estado com o menor percentual de católicos apostólicos romanos, e o estado com o maior percentual de pessoas sem religião (como ateus, e agnósticos). Além disso, é o estado com o maior percentual de espíritas do Brasil. A variedade de denominações é uma marca da presença da diversidade religiosa no perfil demográfico do estado.

Composição étnica

O estado do Rio de Janeiro é formado por enorme gama de etnias e povos das mais variadas procedências, principalmente pelo fato de sua capital ter sido durante um longo período a capital do estado brasileiro. Inicialmente a população do estado do Rio de Janeiro foi marcada pela presença de povos indígenas, assim como toda a costa brasileira. No início doséculo XVI, habitavam o Rio de Janeiro quatro grandes grupos indígenas, classificados de acordo com seu grupo linguístico: tupis-guaranis, que habitavam o litoral e constituíam diversas tribos como os tupinambás ou tamoios e os Tupiniquins; puri-coroado, maxakali e botocudo, da língua macro-jê, que habitavam o interior, sobretudo a bacia hidrográfica do Rio Paraíba do Sul; os goitacases, que habitavam a foz do rio Paraíba do Sul; as tribos guaianás ou Goianás que viviam no litoral sul, entre Angra dos Reis e Paraty, e na Ilha Grande. Com a colonização, as tribos indígenas foram extintas. Em 30 de maio de 1902, na paróquia de Santo Antônio de Pádua, no município de mesmo nome, foi registrado o último óbito de índio natural do estado do Rio de Janeiro: Joaquina Maria Pury. Em fins da década de 1940, guaranis migraram para a região das cidades de Angra dos Reis e Paraty. Eles só vieram a ser descobertos pelo governo federal em 1974 com a construção da Rodovia Rio-Santos. Atualmente, os quinhentos guaranis do estado vivem em três aldeias: Sapukaí, Itatiim e Araponga.

Cor/Raça População
Brancos 7 579 023 (47,4%)
Pardos 6 332 408 (39,6%)
Pretos 1 937 291 (12,1%)
Amarelos, Indígenas e não declarados 141 207 (0,9%)
Fonte: IBGE (2010) .


Noséculo XVI, desembarcam na região os franceses, que na Baía da Guanabara instalam uma colônia de refugiados religiosos. Logo em seguida os portugueses invadem a região, e na guerra com os franceses, saem vitoriosos, sendo fundada a Cidade do Rio de Janeiro pelo português Estácio de Sá. Nos séculos seguintes, a população da região é formada basicamente por portugueses e africanos, trazidos à força pelos portugueses na condição de escravos. Até meados doséculo XIX, a maioria da população fluminense era composta por negros, porém, o número de imigrantes portugueses desembarcados na cidade do Rio de Janeiro passou a crescer repentinamente naquele século, o que fez com que praticamente se igualasse o número de pessoas de origem africana e as de origem portuguesa. Posteriormente, outros povos contribuíram para a formação da população do estado, como alemães, italianos, suíços, espanhóis, dentre outros, aos quais se somaram os brasileiros de todos os estados, atraídos pela capital do país até a década de 1960, a cidade do Rio de Janeiro. Os primeiros imigrantes não portugueses a chegar à região foram os suíços, em 1818, fundando na região das serras a cidade de Nova Friburgo. Pouco mais tarde, começariam a chegar os alemães e os britânicos, que também rumaram para as serras, principalmente para a região de Petrópolis. Italianos e espanhóis chegariam mais tarde, contribuindo também para a diversidade étnica fluminense.[carece de fontes?]

Municípios mais populosos

Por ser a capital do estado, a cidade do Rio de Janeiro também é sede do governo fluminense. A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ) é o órgão de poder legislativo estadual e está sediada no Palácio Tiradentes, onde anteriormente funcionou a Câmara dos Deputados do Brasil, no Centro da cidade.

O Palácio Guanabara (anteriormente conhecido como Paço Isabel) fica em Laranjeiras, na zona sul da Capital, é a sede oficial do poder executivo fluminense. O Palácio Guanabara não deve ser confundido com o Palácio Laranjeiras, situado no mesmo bairro (na Rua Paulo Cesar Andrade, 407), que é a residência oficial do governador do Rio de Janeiro.

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) é o órgão máximo do poder judiciário do estado. Seu fórum central está localizada no Centro do Rio de Janeiro, mas de 2013 a julho de 2018, algumas das varas judiciais deste foro foram deslocadas para a Cidade Nova.

Regiões geográficas intermediárias e imediatas

O estado do Rio de Janeiro é composto por 92 municípios, que estão distribuídos em 14 regiões geográficas imediatas, que por sua vez estão agrupadas em cinco regiões geográficas intermediárias, segundo a divisão do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vigente desde 2017.

As regiões geográficas intermediárias foram apresentadas em 2017, com a atualização da divisão regional do Brasil, e correspondem a uma revisão das antigas mesorregiões, que estavam em vigor desde a divisão de 1989. As regiões geográficas imediatas, por sua vez, substituíram as microrregiões.

Oficialmente, as cinco regiões intermediárias do estado são: Rio de Janeiro, Volta Redonda-Barra Mansa, Petrópolis, Campos dos Goytacazes e Macaé-Rio das Ostras-Cabo Frio. O estado também é dividido em quatorze regiões imediatas: Rio de Janeiro, Angra dos Reis, Rio Bonito, Volta Redonda-Barra Mansa, Resende, Valença, Petrópolis, Nova Friburgo, Três Rios-Paraíba do Sul, Campos dos Goytacazes, Itaperuna, Santo Antônio de Pádua, Cabo Frio, Macaé-Rio das Ostras. Ao todo, o Rio de Janeiro é dividido em 92 municípios.

Divisão das regiões intermediárias em vermelho e das imediatas em cinza no Estado do Rio.
Municípios.
Exportações do Rio de Janeiro (2012).

Grande parte da economia do estado do Rio de Janeiro se baseia na prestação de serviços, tendo uma parte significativa da indústria e pouca influência no setor de agropecuária, que responde por apenas 0,4% do produto interno bruto fluminense e é apoiada quase integralmente na produção de hortaliças da Região Serrana e do Norte Fluminense. No passado, cana-de-açúcar e depois, o café, já tiveram considerável impacto na economia fluminense.[carece de fontes?] A área no entorno de Campos dos Goytacazes foi a mais impactada com a queda da cana-de-açúcar: no início do século XX, Campos possuía 27 usinas funcionando, e ao longo do século, foi uma das maiores produtoras do Brasil, porém, em 2020, apenas duas usinas de açúcar operavam na cidade. O estado, que colhia cerca de 10 milhões de toneladas nos anos 1980, chegou a colher apenas 1 milhão de toneladas em 2017, quando começou a se recuperar, colhendo 1,8 milhões de toneladas na safra de 2019/20. Na agricultura, o estado do Rio, atualmente, se destaca em poucos produtos, como o abacaxi, onde é o 4º maior produtor do país (116 milhões de frutos em 2019), que é produzido nas cidades de São Francisco de Itabapoana, São João da Barra, Campos dos Goytacazes e Quissamã. Tem pequenas produções de mandioca (216 mil toneladas em 2019, 20º lugar no país), banana (76 mil toneladas em 2019, 20º lugar no país), laranja (68 mil toneladas em 2019, 10º lugar no país), tangerina (37 mil toneladas em 2019, 5º lugar no país), limão (20 mil toneladas em 2019, 5º lugar no país) e caqui, onde tem 6% da produção nacional, sendo o 4º lugar no país. O estado também já foi um grande produtor de coco, nas áreas de Quissamã e da Região dos Lagos, e em 2009 era o 7º maior produtor nacional, mas entre 2010 e 2020 vários produtores abandonaram a atividade.

No ano de 2012, o Rio de Janeiro foi o segundo estado que mais exportou no país, como a participação de 12,88% com destaque para os produtos Petróleo Cru (64,21%), Petróleo Refinado (6,07%), Produtos Semimanufaturados de Ferro (4,79%), Plataformas de Perfuração (2,33%) e Outras Ligas de Aço, em Lingotes ou Outras Formas Primárias (2,09%).

O estado do Rio de Janeiro é a segunda maior economia do Brasil, atrás do estado de São Paulo, e a quarta da América do Sul, tendo um Produto Interno Bruto superior ao do Chile, com uma participação no produto interno bruto nacional de 15,8% (2005 – Fundação Centro de Informações e Dados do Rio de Janeiro e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Indústria

O Rio de Janeiro tinha em 2018 um PIB industrial de R$ 150 bilhões, equivalente a 11,4% da indústria nacional e empregando 580.334 trabalhadores na indústria. Os principais setores industriais do Rio são: Extração de Petróleo e Gás Natural (25,9%), Derivados do Petróleo e Biocombustíveis (18,7%), Construção (15,5%), Serviços Industriais de Utilidade Pública, como Energia Elétrica e Água (10,6%), e Metalurgia (4,2%). Estes 5 setores concentram 74,9% da indústria do estado.

Com 37,5% do produto interno bruto vem o setor industrial — metalúrgica, siderúrgica, gás-química, petroquímica, naval, automobilística, audiovisual, cimenteira, salineira, alimentícia, mecânica, editorial, têxtil, gráfica, de papel e celulose, de extração mineral, extração e refino de petróleo. A indústria química e farmacêutica também ocupa papel de destaque na economia fluminense. Segundo dados da Associação Comercial do Rio de Janeiro, dos 250 laboratórios existentes no país, 80 operam no estado, com destaque para Merck, Glaxo, Roche, Arrow, Barrenne, Casa Granado, Darrow Laboratórios, Gross, Baxter, Schering-Plough, Musa, Daudt, Lundbeck, Mayne e Mappel. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), localizada no bairro carioca de Manguinhos, é o maior laboratório público da América Latina e um dos maiores do mundo e ocupa posição de destaque na pesquisa de remédios para diversas moléstias. A Ceras Johnson, fabricante de vários produtos de limpeza e desinfetantes, também tem sede no Rio de Janeiro. No sul do estado também se localiza um importante parque industrial, com destaque para a Companhia Siderúrgica Nacional sediada em Volta Redonda, PSA Peugeot Citroën, Volkswagen Caminhões e Ônibus (MAN), Coca-Cola (Companhia Fluminense de Refrigerantes), a fabricante de vidros Guardian do Brasil, Galvasud, Indústrias Nucleares do Brasil, Michelin, White Martins, a Indústria Nacional de Aços Laminados, Companhia Estanífera Brasileira, Usinas Nucleares Angra 1, 2 e 3, entre outras. A Nissan também irá construir uma nova fábrica no município de Resende no sul do estado.

O estado também abriga o segundo maior polo cervejeiro do país. Petrópolis é a sede de algumas das maiores cervejarias do pais (como o Grupo Petrópolis, e a Cervejaria Bohemia).[desambiguação necessária] Além disso, inúmeras fábricas se espalham pelo estado.

No que diz respeito à indústria do sal, a Região dos Lagos é a segunda maior região produtora do Brasil, perdendo apenas para a região do Polo Costa Branca, localizado no estado do Rio Grande do Norte. No município de Cabo Frio está sediada a Refinaria Nacional de Sal, que é uma das principais indústrias salineiras do país.

No setor de petróleo, estão sediadas no Rio de Janeiro as maiores empresas do país, incluindo a maior companhia brasileira, a Petrobras. Além dela, Shell, Esso, Petróleo Ipiranga e El Paso Corporation mantêm suas sedes e centros de pesquisa no estado. Juntas, todas estas empresas produzem mais de quatro quintos dos combustíveis distribuídos nos postos de serviço do país. O governo do estado monitora a produção de petróleo e gás através do Centro de Informações sobre o Petróleo e Gás Natural do Estado do Rio de Janeiro.

Serviços

Panorama da região central da cidade do Rio de Janeiro.
Reprodução do rio Ganges para a telenovela Caminho das Índias na cidade cenográfica dos Estúdios Globo.

Os serviços representam 62,1% do produto interno bruto do estado, em áreas como telecomunicações, audiovisual, tecnologia da informação (TI), turismo, turismo de negócios, ecoturismo, seguros e comércio. O estado é a sede da maior parte das operadoras de telefonia do país, como TIM Brasil, Oi, Telemar (Oi e Telemar são do mesmo grupo), Embratel, Vésper (a Embratel e Vésper também são do mesmo grupo) e Intelig (recentemente adquirida pelo grupo TIM). O estado também ocupa posição de destaque no setor de vendas a varejo, sendo sede de grandes cadeias de lojas, como Lojas Americanas, Ponto Frio e Casa & Vídeo.[carece de fontes?]

O Estado do Rio de Janeiro e, mais especificamente sua capital, são frequentemente associados à produção audiovisual. Segundo dados do Ministério da Cultura, cerca de 80% das produtoras cinematográficas do país têm sede no estado e é da mesma proporção a produção de filmes do estado em relação ao total nacional. O Rio de Janeiro abriga atualmente a maior parte dos estúdios de dublagem de filmes e séries estrangeiras. Na capital do estado ficava a Herbert Richers, maior empresa de tradução e dublagem do Brasil. A cidade do Rio de Janeiro é o berço e quartel-general do Grupo Globo, maior conglomerado de empresas de comunicações e produção cultural da América Latina. Também estão sediadas no Rio de Janeiro a Rede Globo de Televisão, a Globosat, maior empresa de televisão geradora de conteúdo por assinatura do país, a Rádio Globo e o jornal O Globo, primeira empresa da holding.

Também está presente o Casablanca Estúdios, complexo de estúdios de produção e teledramaturgia da RecordTV. Também se sediou no Rio de Janeiro a Rede Manchete, fundada em 1983 e extinta em 1999. O estado (e especificamente a cidade do Rio de Janeiro), ultimamente tem se destacado como cenário para filmes estrangeiros, principalmente norte-americanos.

Educação

Campus do Gragoatá, da Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói.

O estado do Rio de Janeiro possui um dos maiores níveis de educação no Brasil. Apesar da precariedade, os estudos mostram que a nível nacional, escolas públicas fluminenses possuíram bons índices de aproveitamento no último censo.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em 2000 o Rio de Janeiro era o terceiro estado brasileiro por número de pessoas acima de quinze anos alfabetizadas, com apenas 6,6% de sua população nessa faixa etária analfabeta. O estado estava atrás apenas do Distrito Federal (5,7%) e do estado de Santa Catarina (6,3%). Dados divulgados pelo mesmo instituto em 2008 indicam que o Rio é hoje o segundo estado do Brasil por número de pessoas acima de quinze anos alfabetizadas, com apenas 4,3% dessa sua população analfabeta, perdendo apenas para o Distrito Federal. Entretanto, em relação ao índice de analfabetos funcionais (14,4%), o estado perde para o Distrito Federal (10,9%) e para São Paulo (14%), ficando na terceira posição na lista.[carece de fontes?]

O estado possui um bom número de universidades federais do Brasil, sendo elas: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade Federal Fluminense, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. As demais, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Universidade Estadual da Zona Oeste, Universidade Estadual do Norte Fluminense também possuem grande destaque e são mantidas pelo governo do Estado do Rio de Janeiro.

Segurança pública

Quartel do Comando Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ).

A Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) tem por função primordial o policiamento ostensivo e a preservação da ordem pública fluminense. Para fins de organização é uma força auxiliar e reserva do Exército Brasileiro, assim como suas co-irmãs e integra o Sistema de Segurança Pública e Defesa Social brasileiro e está subordinada ao Governo do Estado do Rio de Janeiro através da Secretaria Estadual de Segurança (SESeg). Foi criada em 1809, por dom João 6º, e possui, atualmente, aproximadamente 52 000 militares. Sua principais unidades são o Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), o Batalhão de Polícia de Choque (BPChq), o Grupamento Aeromóvel, entre outras, cabendo citar seu principal centro de formação, a Academia de Polícia Militar Dom João VI.[carece de fontes?]

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) é uma corporação cuja principal missão consiste na execução de atividades de defesa civil, prevenção e combate a incêndios, buscas, salvamentos e socorros públicos no âmbito fluminense, sendo também força auxiliar e reserva do Exército, subordinada ao Governo do Estado do Rio de Janeiro por meio da Secretaria Estadual de Defesa Civil (SEDeC). Foi criado em 1856 por Dom Pedro II, possuindo, hoje, cerca de 15 500 militares.[carece de fontes?]

A Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ) é uma das polícias deste estado, órgão do sistema de segurança pública ao qual compete, nos termos do artigo 144, § 4º, da Constituição Federal e ressalvada competência específica da União, as funções de polícia judiciária e de apuração das infrações penais, exceto as de natureza militar. Foi criada em 1808, e possui cerca de 11 000 policiais.[carece de fontes?]

Museus e espaços culturais

Entre os principais museus do estado estão o Museu de Arte do Rio (MAR), Museu Nacional, Museu Histórico de Campos dos Goytacazes, Museu Imperial de Petrópolis, Museu Nacional de Belas Artes, o Museu Histórico Nacional, o Museu da República, o Museu da Chácara do Céu ("Museus Castro Maya"), o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, o Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu do Amanhã, Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB RJ) o Museu da Vida da Fundação Oswaldo Cruz, o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, Museu da Aviação Naval — único do gênero no Brasil e o do Forte de Copacabana.

O Museu de Arte Contemporânea de Niterói é conhecido pela sua arquitetura exterior que lembra bastante o formato de um cálice ou um disco voador. O MAC possui quatro andares e aproximadamente 2 500m² com espaços de exposições e galerias, mas também tem um restaurante e um auditório. Através das janelas, montadas a um ângulo de 40° você pode curtir um vista panorâmica do Rio de Janeiro, do Pão de Açúcar e da Baía de Guanabara. A capital fluminense, na Barra da Tijuca, conta também, desde 2013, com a Cidade das Artes, um complexo que abriga a maior sala de concertos da América Latina.

Cinema

Ver artigo principal: Cinema brasileiro

Em 2006, 65% da produção do cinema nacional foi realizada por produtoras sediadas na capital fluminense, que possui, também, cerca de 180 salas de cinema, maior proporção do país entre as capitais, e a maior proporção também de museus, (80 no total e 43 teatros).[carece de fontes?]

Esportes

Final do Campeonato Carioca de 2017, no setor Sul do Maracanã (parte da torcida do Fluminense).

Assim como em outras unidades da federação brasileiras, todos os anos é realizado o Campeonato Estadual de Futebol. O campeonato do atual Estado do Rio de Janeiro é disputado desde 1979, após a fusão dos estados da Guanabara e do antigo estado do Rio de Janeiro, cuja capital era Niterói. Até então existiam os campeonatos Carioca e Fluminense, além do Fluminense de Seleções. Os quatro principais clubes de futebol do Rio de Janeiro são os clubes de futebol, Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco da Gama. Os quatro estão entre os mais tradicionais do Brasil e possuem performances mais destacadas que os outros clubes que representam o Estado do Rio de Janeiro em competições nacionais e internacionais. A cidade do Rio de Janeiro, sede dos quatro grandes, é aquela que reunia mais clubes profissionais no Brasil em 2018, um total de 28 clubes, contra 9 clubes de Belém, a segunda colocada, com o Estado do Rio de Janeiro tendo 69 clubes em todas as suas divisões nesse ano.

Ver também a categoria: Fluminenses

Notas

  1. Wilson Witzel foi afastado temporariamente do cargo em 28 de agosto de 2020, por determinação do Superior Tribunal de Justiça, em razão de denúncia de crime de responsabilidade, fraudes e irregularidades. Em 23 de setembro, uma votação na ALERJ decidiu pela admissibilidade do processo de impeachment. Em 30 de abril de 2021, o processo foi julgado e Witzel foi definitivamente afastado do cargo, assumindo oficialmente seu vice Cláudio Castro, sendo este empossado no dia seguinte, 1º de maio de 2021.
  2. Com o impeachment do governador Wilson Witzel, em 30 de abril de 2021, seu vice Cláudio Castro assumiu o cargo de governador. Logo após o vice-governador, encontra-se na linha de sucessão do governo, o então presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

  1. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). . Consultado em 29 de agosto de 2021
  2. IBGE, IBGE (27 de agosto de 2021). (PDF). ibge.gov.br. Consultado em 28 de agosto de 2021
  3. (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 16 de novembro de 2020
  4. (PDF). IBGE. Consultado em 2 de dezembro de 2016
  5. . IBGE. Consultado em 2 de dezembro de 2016
  6. IPEA -Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (PDF). Gráfico 7, página 25. Consultado em 18 de abril de 2019
  7. PACIEVITCH, Thais. . Geografia do Rio de Janeiro. InfoEscola. Consultado em 23 de setembro de 2016
  8. BUENO, E. Brasil: uma história. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 12-15.
  9. BUENO, E. Brasil: uma história. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 19.
  10. Cintra, Jorge Pimentel (27 de abril de 2016). . Acervo. 29 (1 jan-Jun): 67–81
  11. MATTOS, Lúcio Gonçalves de (1995). [S.l.]: Ministério do Planejamento e Orçamento, Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Centro de Documentação e Disseminação de Informações, Departamento de Documentação e Biblioteca. ISBN 9788524005466
  12. Macedo, J.M. de (1876). Brazilian biographical annual (em inglês). 2. Rio de Janeiro: Typographia e lithographia do Imperial Instituto Artistico. pp. 121–122
  13. edittip (2 de fevereiro de 2014). . da Terra e do Território no Império Português. Consultado em 10 de maio de 2017
  14. Coaracy, Vivaldo (2009). O Rio de Janeiro no Século XVII. [S.l.]: Documenta Histórica Editora Ltda
  15. Enders, Armelle (26 de fevereiro de 2015). . [S.l.]: Gryphus Editora. ISBN 9788583110347
  16. (PDF)
  17. Christian, Lüders, Pedro (6 de março de 2017).
  18. Lessa, Carlos (2000). O Rio de Todos os Brasis. Rio de Janeiro: Record
  19. Lucas, Jorge Alexandre (1 de janeiro de 2014). . Revista Científica Ciência em Curso (em francês). 3 (2): 111–123. ISSN
  20. ABREU, Alzira Alves de; BELOCH, Israel; LATTMAN-WELTMAN, Fernando; LAMARÃO, Sérgio Tadeu de Niemeyer (2001). 2ª ed. Rio de Janeiro: FGV. Consultado em 29 de novembro de 2016
  21. MELLO, Maria Luisa de (27 de novembro de 2012). . País. Jornal do Brasil. Consultado em 29 de novembro de 2016
  22. REMIGIO, Marcelo (20 de maio de 2015). . Acervo O Globo. O Globo. Consultado em 29 de novembro de 2016
  23. REDAÇÃO (16 de junho de 2006). . Rio. O Globo. Consultado em 29 de novembro de 2016
  24. AGÊNCIA, Estadão (26 de junho de 2002). . Brasil. Estadão. Consultado em 29 de novembro de 2016
  25. . Consultado em 25 de fevereiro de 2014. Arquivado do em 4 de dezembro de 2014
  26. IBGE (1 de julho de 2020). (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 12 de julho de 2021.
  27. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (2011). (PDF). Rio de Janeiro: IBGE. p. 67-68. ISBN 978-85-240-4187-7. Consultado em 2 de dezembro de 2016.
  28. . IBGE. 2010
  29. . Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 13 de maio de 2020
  30. . www.alerj.rj.gov.br. Consultado em 4 de julho de 2021
  31. . www.palaciotiradentes.rj.gov.br. Consultado em 4 de julho de 2021
  32. O Globo (17 de novembro de 2017).
  33. , por Felipe Lucena. Diário do Rio, 4 de outubro de 2015.
  34. destakjornal (20 de julho de 2018). . Consultado em 29 de julho de 2018
  35. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). . Consultado em 20 de janeiro de 2018
  36. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). . Consultado em 20 de janeiro de 2018.
  37. . Plataforma DataViva. Consultado em 13 de janeiro de 2014. Arquivado do em 12 de fevereiro de 2015
  38. . Terceira Via. 26 de janeiro de 2020. Consultado em 4 de julho de 2021
  39. . www.coagro.coop.br. Consultado em 4 de julho de 2021
  40. . www.conab.gov.br. Consultado em 4 de julho de 2021
  41. Campo & Negócios (17 de maio de 2019). . Revista Campo & Negócios. Consultado em 4 de julho de 2021
  42. . Século Diário. Consultado em 4 de julho de 2021
  43. Junior, Manuel Alberto Gutierrez Cuenca Carlos Roberto Martins Luciano Alves de Jesus. . www.agencia.cnptia.embrapa.br. Consultado em 4 de julho de 2021
  44. . Plataforma DataViva. Consultado em 13 de janeiro de 2014. Arquivado do em 10 de outubro de 2014
  45. DO UOL, em São Paulo (22 de novembro de 2013). . UOL Economia. UOL. Consultado em 28 de novembro de 2016
  46. . perfil.portaldaindustria.com.br. Consultado em 4 de julho de 2021
  47. MORAES, Camila (28 de outubro de 2014). . Cultura. El País Brasil. Consultado em 28 de novembro de 2016
  48. BRISO, Caio Barretto (24 de outubro de 2012). . Cotidiano. Veja Rio. Consultado em 28 de novembro de 2016
  49. GLOBO Comunicações e Participações S/A. . História Grupo Globo. Globo.com. Consultado em 28 de novembro de 2016
  50. AZZALI, Leonardo (25 de maio de 2015). . RD1. Consultado em 28 de novembro de 2016
  51. DIAS, Bruno (23 de junho de 2007). . Consultor Jurídico. Consultado em 28 de novembro de 2016
  52. JANOT, Bruno (9 de outubro de 2014). . Purebreak. Consultado em 28 de novembro de 2016
  53. . G1. 5 de setembro de 2014. Consultado em 21 de setembro de 2016
  54. . O Dia. 22 de dezembro de 2014. Consultado em 21 de setembro de 2016
  55. IBGE, Anuário estatístico do Brasil 2001, p. 2–81 Citado em ADAS, Melhem e ADAS, Sergio. Panorama Geográfico do Brasil. 4 ed. São Paulo: Editora Moderna, 2004.
  56. . Secretaria de Estado de Educação - SEEDUC. Governo do Rio de Janeiro. Consultado em 28 de novembro de 2016
  57. . Arquivado do em 2 de abril de 2015
  58. . Consultado em 2 de maio de 2008. Arquivado do em 20 de abril de 2008
  59. . (INAE) – Estudos e Pesquisas N. 180. 10 de maio de 2007. Consultado em 14 de julho de 2008. Arquivado do em 12 de fevereiro de 2009
  60. GLOBOPLAY, Equipe do site (24 de fevereiro de 2011). . Site Globoplay. Consultado em 24 de fevereiro de 2017
  61. ESPORT EINTERATIVO, Equipe do site (14 de janeiro de 2016). . Site Esporte Inetrativo. Consultado em 24 de fevereiro de 2017
  62. TARGINO, Maurício (18 de maio de 2012). . Site deprimeira. Consultado em 17 de outubro de 2016
  63. RODRIGUES, Rodolfo e GINI, Paulo Villena (3 de agosto de 2009). . Panda Books. Consultado em 26 de dezembro de 2013 !CS1 manut: Nomes múltiplos: lista de autores (link)

Rio de Janeiro (estado)
janeiro, estado, unidade, federativa, brasil, língua, vigiar, editar, coordenadas, nota, este, artigo, sobre, estado, para, capital, veja, janeiro, para, outros, significados, veja, desambiguação, esta, página, cita, fontes, estas, não, cobrem, todo, conteúdo,. Rio de Janeiro estado unidade federativa do Brasil Lingua Vigiar Editar Coordenadas 22 55 S 43 11 O Nota Este artigo e sobre o estado Para a capital veja Rio de Janeiro Para outros significados veja RJ desambiguacao Esta pagina cita fontes mas estas nao cobrem todo o conteudo Ajude a inserir referencias Conteudo nao verificavel podera ser removido Encontre fontes Google noticias livros e academico Janeiro de 2020 Estado do Rio de JaneiroBandeira BrasaoLema RECTE REM PVBLICAM GERERE traduzido do latim significa Gerir a Coisa Publica com Retidao Hino Hino do Rio de JaneiroGentilico fluminenseLocalizacao Regiao Sudeste Estados limitrofes Espirito Santo nordeste Minas Gerais noroeste e Sao Paulo sudoeste Regioes geograficas intermediarias 5 Regioes geograficas imediatas 14 Municipios 92Capital Rio de JaneiroGoverno Governador a Claudio Castro nota 1 PL Vice governador a cargo vago nota 2 Deputados federais 46 Deputados estaduais 70 Senadores Carlos Portinho PL Flavio Bolsonaro Patriota Romario PL Area Total 43 780 172 km 24º 2 Populacao 2021 Estimativa 17 463 349 hab 3º 3 Densidade 398 89 hab km 2º Economia 2018 PIB R 758 859 bilhoes 4 2º PIB per capita R 44 222 3º Indicadores 2016 2017 5 6 Esperanca de vida 2017 76 5 anos 8º Mortalidade infantil 2017 11 1 nasc 20º Alfabetizacao 2016 97 3 2º IDH 2017 0 796 4º alto 7 Fuso horario UTC 3Clima tropical tropical de altitude Aw CwaCod ISO 3166 2 BR RJSite governamental http www rj gov br Rio de Janeiro e uma das 27 unidades federativas do Brasil Situa se a sudeste da regiao Sudeste do pais tendo como limites os estados de Minas Gerais norte e noroeste Espirito Santo nordeste e Sao Paulo sudoeste alem do Oceano Atlantico leste e sul Ocupa uma area de 43 780 172 km Os naturais do estado do Rio de Janeiro sao chamados de fluminenses do latim flume literalmente rio 8 9 A cidade mais populosa e a sua capital homonima que tambem e a segunda maior metropole do Brasil Apesar de ser em termos de territorio o terceiro menor estado brasileiro ficando a frente apenas de Alagoas e Sergipe concentra 8 4 da populacao do pais sendo o estado com maior densidade demografica do Brasil Segundo dados do Censo 2010 o estado e o terceiro mais populoso do Brasil atras de Sao Paulo e Minas Gerais A estimativa populacional calculada pelo IBGE tendo como referencia em 1 de julho de 2021 foi de 17 463 349 habitantes O produto interno bruto PIB do estado e o segundo maior do pais enquanto o Indice de Desenvolvimento Humano IDH fluminense e o quarto mais elevado do Brasil Alem disso o Rio de Janeiro apresenta a terceira maior taxa de alfabetizacao do pais somente atras de Santa Catarina e Distrito Federal O estado e formado por duas regioes morfologicamente distintas a baixada e o planalto que se estendem como faixas paralelas do litoral para o interior Paraiba do Sul Macae Guandu Pirai Muriae e Carangola sao os principais rios O clima varia de tropical a subtropical Ha ocorrencia de geadas nos meses de inverno em regioes acima dos mil metros de altitude e inclusive queda de neve esporadica no Parque Nacional de Itatiaia O litoral fluminense tambem o terceiro mais extenso do pais atras das costas de Bahia e Maranhao 10 Indice 1 Historia 1 1 Primeiros povos e colonizacao portuguesa 1 2 Transferencia da corte portuguesa e seculo XIX 1 3 Seculo XX 1 3 1 Reunificacao 2 Geografia 2 1 Solos e relevo 2 2 Vegetacao 2 3 Hidrografia 2 4 Clima 3 Demografia 3 1 Religiao 3 2 Composicao etnica 3 3 Municipios mais populosos 4 Politica e administracao 5 Subdivisoes 5 1 Regioes geograficas intermediarias e imediatas 6 Economia 6 1 Industria 6 2 Servicos 7 Infraestrutura 7 1 Educacao 7 2 Seguranca publica 8 Cultura 8 1 Museus e espacos culturais 8 2 Cinema 8 3 Esportes 9 Ver tambem 10 Notas 11 Referencias 12 Ligacoes externasHistoria Editar Ver artigo principal Historia do Rio de Janeiro Primeiros povos e colonizacao portuguesa Editar Ver artigos principais Colonizacao do Brasil e Franca Antartica Baia de Guanabara na epoca da Franca Antartica Forte de Sao Mateus em Cabo Frio uma das fortificacoes construidas pelos portugueses no litoral fluminense O continente americano ja era habitado desde pelo menos 10 000 a C por povos provenientes de outros continentes 11 Por volta do ano 1000 o litoral do Estado com excecao da regiao da foz do Rio Paraiba do Sul foi invadida por povos tupis provenientes da Amazonia 12 A epoca do estabelecimento do sistema de Capitanias Hereditarias no Brasil a regiao da baia do Rio de Janeiro mais tarde renomeada para baia de Guanabara foi entregue a Martim Afonso de Souza e compunha o 1º lote ou a porcao setentrional da Capitania de Sao Vicente cujo territorio ia da atual cidade de Macae ate a atual cidade de Caraguatatuba e era separada do 2º lote ou da porcao meridional da Capitania de Sao Vicente pela Capitania de Santo Amaro de Caraguatatuba a Bertioga A regiao norte do atual Estado do Rio de Janeiro compunha a Capitania de Sao Tome ou Capitania da Paraiba do Sul e foi entregue inicialmente a Pero de Gois 13 No entanto as primeiras tentativas de colonizacao portuguesa tanto na parte setentrional de Sao Vicente quanto em Sao Tome acabaram fracassando em virtude da hostilidade dos tamoios os indios tupinambas da Guanabara e dos goitacas indios tapuias da regiao de Campos Em 1555 os tamoios fizeram uma alianca com a coroa francesa e autorizaram que os franceses estabelecessem uma colonia na margem ocidental da baia de Guanabara sob o comando do almirante e cavaleiro templario Nicolas Durand de Villegagnon Essa colonia recebeu o nome de Franca Antartica e tinha como capital Henriville cidade de Henrique localizada no atual bairro do Flamengo na Zona Sul da capital fluminense 14 Visando a evitar esta ocupacao e a assegurar a posse do territorio para a Coroa Portuguesa foi fundada a cidade de Sao Sebastiao do Rio de Janeiro em 1 º de marco de 1565 por Estacio de Sa no morro do Cara de Cao na atual bairro da Urca Estacio de Sa pode ser considerado o primeiro governador geral do Rio de Janeiro no periodo colonial 15 Entre o grupo de fundadores incluia se tambem Dom Antonio de Mariz e o Padre Jose de Anchieta que participou dos preparativos para a tomada do Rio de Janeiro e mais tarde da organizacao das primeiras vilas no reconcavo da Guanabara e na sua margem oriental como por exemplo a vila de Sao Lourenco dos Indios do Rio de Janeiro atual cidade de Niteroi Como a regiao foi recuperada por uma conquista belica patrocinada pela coroa a sua propriedade foi revertida para a familia real portuguesa deixando de ser portanto uma capitania hereditaria da familia Souza Em decorrencia desse fato a Capitania de Sao Vicente Setentrional passou a chamar se Capitania Real do Rio de Janeiro tornando se a segunda capitania real da America Portuguesa apos a da Bahia de Todos os Santos em 1548 14 Diferentemente das capitanias donatarias as capitanias reais possuiam administradores indicados pela coroa e nao proprietarios 16 Rua da cidade historica de Paraty inundada pela mare alta Ao fundo a Igreja de Santa Rita de Cassia No seculo XVI a pecuaria e a lavoura de cana de acucar impulsionaram o progresso definitivamente assegurado quando o porto comecou a exportar o ouro extraido de Minas Gerais no seculo XVII Entre 1583 e 1623 a area de maior destaque de producao de acucar no sul do Brasil se deslocou de Sao Vicente para o Rio de Janeiro na regiao da baia de Guanabara Se em 1629 havia sessenta engenhos em producao no Rio de Janeiro em 1639 ja havia 110 engenhos e o Rio de Janeiro passou a fornecer acucar a Lisboa devido a tomada de Pernambuco durante as invasoes neerlandesas Ao final do seculo havia 120 engenhos na regiao 17 Com o crescimento dos engenhos e alambiques do Rio aumentou a imigracao portuguesa para a cidade E por volta dessa epoca que os naturais da Capitania do Rio de Janeiro comecam a ser chamados popularmente de cariocas em particular os trabalhadores bracais urbanos livres pedreiros pintores ourives e etc O termo carioca era utilizado pelos imigrantes brancos da capitania para se distinguir dos cidadaos mesticos como lembra a profª Armelle Enders brasilianista francesa No seculo XVII os portugueses instalados no Rio recorrem de bom grado a essa alcunha carioca para designar os seus compatriotas naturais do lugar e sublinhar lhes a forte mesticagem amerindia 18 Com a restauracao da Independencia Portuguesa em 1640 os comerciantes e donos de embarcacoes receberam permissao de comercializar diretamente com a Africa a partir do porto do Rio de Janeiro visando complementarmente ao trafico de escravos para o rio da Prata O ciclo da prata levou a um rapido desenvolvimento economico da cidade do Rio de Janeiro levando a cidade a se tornar no seculo seguinte o principal elo logistico do Imperio portugues Tal comercio foi bastante impactado pela tomada de Angola pelos neerlandeses na mesma epoca A utilizacao de escravos indigenas foi ampliada mas os comerciantes e proprietarios tiveram que se indispor com os jesuitas por causa das proibicoes papais relativas a escravizacao dos indios 19 20 A Carta Regia de 30 de junho de 1642 passada pela Chancelaria de D Joao IV outorgou o titulo de a muy heroica e leal cidade de Sao Sebastiao do Rio de Janeiro conferindo aos cidadaos do Rio o titulo de homens bons do Porto o que lhe assegurava os mesmos direitos e privilegios dos cidadaos de Lisboa e do Porto 21 Transferencia da corte portuguesa e seculo XIX Editar Ver artigos principais Transferencia da corte portuguesa para o Brasil Distrito Federal do Brasil 1891 1960 e Municipio Neutro Petropolis em 1889 Mapa do Estado do Rio de Janeiro 1892 Arquivo Nacional Fazenda de cafe em Paty do Alferes Em 1763 a cidade do Rio de Janeiro tornou se a sede do vice reino do Brasil e a capital da colonia Com a transferencia da corte portuguesa para o Brasil em 1808 na epoca da tomada da Peninsula Iberica por Napoleao Bonaparte a regiao foi muito beneficiada com reformas urbanas para abrigar a Corte portuguesa Dentro das mudancas promovidas destacam se a transferencia de orgaos de administracao publica e justica a criacao de novas igrejas hospitais quarteis fundacao do primeiro banco do pais o Banco do Brasil e a Imprensa Regia com a Gazeta do Rio de Janeiro Nos anos seguintes tambem surgiram o Jardim Botanico a Biblioteca Real hoje Biblioteca Nacional e a Academia Real Militar antecessora da atual Academia Militar das Agulhas Negras Assim ocorreu um processo cultural influenciado nao somente pelas informacoes trazidas pela chegada da corte e da familia real mas tambem pela presenca de artistas europeus que foram contratados para registrar a sociedade e natureza brasileira Nessa mesma epoca nasceu a Escola Real de Ciencias Artes e Oficios carece de fontes Apos a transferencia da Corte portuguesa para o Brasil a administracao da capitania do Rio de Janeiro passou a ser confiada ao ministro do Reino cargo que foi praticamente um substituto para o de Vice Rei pois lhe era confiada a sua administracao Em 1821 pouco apos o inicio da Revolucao Liberal do Porto as Cortes Gerais decidem elevar as capitanias a condicao de provincias o que tambem ocorre no Brasil quando entao nasce a Provincia do Rio de Janeiro A despeito disto o ministro e secretario de Estado dos Negocios do Imperio cargo substituto do ministro do Reino portugues continuaria a administra la mesmo apos a Independencia do Brasil ocorrida no ano seguinte Aliado a isto estava o fato de que a cidade do Rio de Janeiro era a capital do Imperio o que fazia com que o ministro administrasse a provincia inteira por meio de avisos os quais dirigia as Camaras Municipais de cidades que naquela epoca comecavam a crescer a passos largos devido a ampliacao e fortalecimento da lavoura cafeeira no Vale do Paraiba que ja sobrepujava a forca da lavoura canavieira na regiao Norte Fluminense carece de fontes As diferencas com relacao as demais unidades administrativas do Brasil fez com que no ano de 1834 o municipio do Rio de Janeiro fosse transformado em Municipio Neutro permanecendo como capital do imperio enquanto a provincia passou a ter a mesma organizacao politico administrativa das demais com um presidente escolhido pelo imperador e uma Assembleia Legislativa tendo sua capital na Vila Real da Praia Grande que no ano seguinte passou a se chamar Niteroi enquanto a cidade do Rio de Janeiro passou a ter uma Camara Municipal que cuidaria da vida daquela cidade sem interferencia do presidente de provincia e em 1889 apos a implantacao da Republica no Brasil a cidade continuou como capital do pais sendo o Municipio Neutro transformado em Distrito Federal A despeito da grande rotatividade ocorrida no poder da provincia fluminense logo apos a criacao do Municipio Neutro que lhe deu 85 governantes ate o fim do imperio a expansao da lavoura cafeeira trouxe prosperidade nunca antes alcancada nesta regiao A ferrovia construida por Antonio Clemente Pinto Barao de Nova Friburgo ligando Cantagalo ao Porto das Caixas e um exemplo do poder economico que alavancou a exploracao desta atividade nos sertoes da serra fluminense Tanto com o surgimento de novos centros urbanos pela provincia quanto pelo esplendor exibido nas fazendas dos baroes do cafe via se a prosperidade trazida pelo ouro verde que tambem trouxe o desenvolvimento da educacao notado pela construcao de varias escolas por todas as cidades Nesse periodo a provincia se tornou a mais rica e poderosa no pais e sua principal exportadora Essa situacao perdurou ate por volta de 1888 Com a abolicao da escravatura a aristocracia fluminense se empobrece ja que nao tem mais sua mao de obra e ainda ve a exaustao do solo e a reducao das safras colhidas ano apos ano carece de fontes Seculo XX Editar Ver artigos principais Proclamacao da Republica do Brasil Construcao de Brasilia e Guanabara Estacao das barcas de Niteroi decada de 1940 Arquivo Nacional Carlos Frederico Werneck de Lacerda governador da Guanabara comemora a criacao do estado no Palacio Tiradentes A decadencia foi a tonica na provincia nos ultimos dias do regime imperial Na luta pela Republica varios foram os fluminenses que se distinguiram cabendo citar Antonio da Silva Jardim Lopes Trovao Rangel Pestana entre outros Tambem forte foi a presenca na campanha abolicionista Com a proclamacao da Republica logo ocorreram problemas politicos que foram com o tempo lhe retirando a grandeza e o destaque conseguidos durante o Imperio Apos a aprovacao da sua primeira Constituicao Estadual em 9 de abril de 1892 a capital foi transferida para a cidade de Petropolis devido as agitacoes que ocorreram durante o governo do Marechal Floriano Peixoto nas cidades do Rio de Janeiro e de Niteroi e tambem a Revolta da Armada ocorrida naquela epoca Apos diversos anos em que lutas politicas fizeram o estado perder o rumo administrativo fato comprovado pela dualidade de Assembleias Legislativas por tres periodos estas fazem aumentar ainda mais a crise economica fluminense que se arrasta de tal maneira a transformar gradualmente suas plantacoes de cafe em pastagens para a pecuaria e a fazer com que o mesmo nao acompanhe o desenvolvimento industrial experimentado pelo vizinho Sao Paulo carece de fontes Com a chegada de Getulio Vargas ao poder varios interventores foram nomeados o que nao alterou o quadro socioeconomico fluminense ate que em 1937 e nomeado Ernani do Amaral Peixoto genro de Vargas este casou se com Alzira Vargas em 1939 e que pode realizar muito pelo estado dando incentivo ao seu desenvolvimento industrial com a construcao da Companhia Siderurgica Nacional em Volta Redonda no Vale do Paraiba fluminense da Companhia Nacional de Alcalis em Arraial do Cabo na Regiao dos Lagos e da Fabrica Nacional de Motores em Duque de Caxias na Baixada Fluminense bem como a expansao da malha rodoviaria estadual carece de fontes Amaral Peixoto ainda mobilizou a populacao fluminense no esforco de guerra o que resultou na aquisicao com os recursos arrecadados de um novo navio para a Marinha de Guerra brasileira Data desse periodo tambem a formacao de varias instituicoes de ensino superior e centros de estudo sobre a cultura e historia fluminenses que procuravam resgatar a memoria e construir uma identidade para a populacao do estado esvaziado economica e politicamente desde o fim do Segundo Imperio Com a queda de Vargas Peixoto foi afastado do comando do Estado e cinco interventores sucederam se no governo fluminense ate a eleicao em 1947 de Edmundo de Macedo Soares e Silva construtor da usina da cidade de Volta Redonda que reorganizou a administracao e as financas estaduais bem como continuou o incentivo a industrializacao e a producao agropecuaria Foi sucedido entretanto por Amaral Peixoto que da nova forca a expansao industrial e rodoviaria datando desse periodo a criacao da Companhia Nacional de Alcalis carece de fontes Em 1960 com a mudanca da capital do pais para a nova cidade de Brasilia o antigo Distrito Federal tornou se o estado da Guanabara Ate o ano de 1964 os governos estaduais procuram dinamizar a economia fluminense reformando a estrutura do estado organizando sua educacao superior cria se em 1960 a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro posteriormente Universidade Federal Fluminense melhorando a infraestrutura eletrica e desse periodo a criacao das Centrais Eletricas Fluminenses posteriormente Companhia de Eletricidade do Estado do Rio de Janeiro e dando nova feicao a cidade de Niteroi Apos o Golpe de Estado no Brasil em 1964 o governador Badger da Silveira recem eleito em 1963 foi afastado do cargo sendo substituido pelo general Paulo Torres que tratou de criar a Companhia de Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro carece de fontes Reunificacao Editar Niteroi foi a capital do estado ate 1975 ano da fusao do Estado do Rio de Janeiro com o Estado da Guanabara Apos a edicao da Lei Complementar nº 20 em 1974 assinada pelo presidente Ernesto Geisel reunificaram se apos 140 anos de separacao os estados da Guanabara e do Rio de Janeiro em 15 de marco de 1975 A capital do estado passou a ser o municipio do Rio de Janeiro voltando se a situacao politico territorial anterior a 1834 ano da criacao do Municipio Neutro Foram mantidos ainda os simbolos do estado do Rio de Janeiro enquanto os simbolos do antigo estado da Guanabara passaram a ser os simbolos do municipio do Rio de Janeiro Por imposicao do regime militar o gentilico carioca foi reduzido a gentilico municipal da cidade do Rio de Janeiro embora a maioria da populacao do Estado do Rio de Janeiro se declare como carioca Atualmente movimentos sociais tentam obter o reconhecimento de carioca como gentilico cooficial do novo Estado do Rio de Janeiro 22 Alguns alegam que a motivacao por tras do presidente Ernesto Geisel para a fusao foi neutralizar a forca oposicionista do Movimento Democratico Brasileiro no estado da Guanabara O estado do Rio de Janeiro tradicionalmente foi considerado um polo de conservadorismo vide governos sucessivos do Partido Social Democratico e posteriormente da Alianca Renovadora Nacional apesar da grande forca do Partido Trabalhista Brasileiro que elegeu os dois ultimos governadores antes de 1964 e depois do Movimento Democratico Brasileiro nessa regiao o que levou a erronea conclusao que esta viria a neutralizar a oposicao emedebista guanabarina evitando maiores problemas para o governo militar que acaba por indicar como primeiro governador do novo estado o almirante Floriano Peixoto Faria Lima Apesar de Faria Lima assumir o estado com promessas do governo federal de macicos investimentos a fim de compensar os problemas que poderiam advir da fusao esses nao se concretizaram plenamente mesmo com a implantacao das usinas nucleares em Angra dos Reis e a expansao da Companhia Siderurgica Nacional o que acarretou problemas que viriam a ser sentidos principalmente nas areas de habitacao educacao saude e seguranca partir da decada de 1980 carece de fontes Leonel Brizola Com a abertura politica e a volta das eleicoes diretas para governador os fluminenses elegem Leonel de Moura Brizola Partido Democratico Trabalhista em 1982 exilado politico desde 1964 que voltava ao Brasil com a bandeira do trabalhismo varguista o que conquistou o eleitorado insatisfeito com o segundo governo de Chagas Freitas 23 Em seu primeiro governo Leonel Brizola constroi o Sambodromo e da inicio aos Centros Integrados de Educacao Publica CIEPs escolas projetadas por Oscar Niemeyer e idealizadas pelo professor Darci Ribeiro para funcionarem em tempo integral A crescente crise na area da seguranca publica e os desgastantes atritos com as Organizacoes Globo atual Grupo Globo acabaram por impedir que ele fizesse seu sucessor 23 24 Nas eleicoes de 1986 Moreira Franco foi eleito governador pelo Partido do Movimento Democratico Brasileiro numa ampla alianca antibrizolista que ia do Partido da Frente Liberal ao Partido Comunista do Brasil Moreira teve a ajuda do Plano Cruzado plano economico lancado no governo do presidente Jose Sarney que visava o controle da inflacao e que malogrou ante a acusacao por parte da oposicao de ter sido eleitoreiro A decepcao com o governo Moreira Franco que nao cumpriu a promessa de acabar com a violencia em seis meses levou o eleitorado fluminense a eleger Leonel Brizola novamente em 1990 23 25 Em seu segundo mandato Brizola concluiu os Centros Integrados de Educacao Publica CIEP construiu a Via Expressa Presidente Joao Goulart a Universidade Estadual do Norte Fluminense ampliou o sistema de abastecimento hidrico do Rio Guandu e deu inicio ao Programa de Despoluicao da Baia de Guanabara Porem os problemas cronicos na area de seguranca bem como nas contas publicas estaduais fizeram o estado sofrer uma intervencao branca do governo federal no ano de 1992 durante a Conferencia das Nacoes Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento e tambem no ano de 1994 A utilizacao de tropas das Forcas Armadas no patrulhamento das ruas da capital fluminense foi amplamente apoiada pela populacao 26 27 Marcello Alencar Em meio a esses problemas Brizola renunciou ao mandato a fim de concorrer as eleicoes presidenciais O governo estadual foi assumido pelo seu vice Nilo Batista que apos 8 meses passou o comando para Marcello Alencar eleito pelo Partido da Social Democracia Brasileira em 1994 gracas ao bom desempenho de sua passagem pela prefeitura da cidade do Rio de Janeiro e ao sucesso do Plano Real Marcello retomou as obras do metro paralisadas desde a gestao de Moreira Franco construiu a Via Light ligando o Rio de Janeiro a Nova Iguacu e implementou uma politica de seguranca publica mais voltada ao confronto armado o que acabou por gerar antipatia da populacao de baixa renda mais exposta aos enfrentamentos entre a policia e bandidos carece de fontes Na eleicao seguinte Anthony Garotinho apadrinhado a epoca por Brizola e que anteriormente havia perdido a eleicao para Alencar foi eleito governador pelo Partido Democratico Trabalhista apoiado por uma alianca de esquerda que incluiu como vice na chapa a entao senadora Benedita da Silva do Partido dos Trabalhadores que o substituiu em 2002 quando ele tambem renunciou como Brizola visando a corrida presidencial Benedita assumiu em meio a problemas de ordem politica Garotinho rompeu a alianca com o Partido dos Trabalhadores sob acusacoes de fisiologismo e fiscal que acabaram por impedi la de se reeleger sendo derrotada por Rosinha Garotinho esposa de Anthony Garotinho que procurou apos eleita manter o estilo por vezes controvertido de governar de seu marido enfrentando ainda duras criticas com relacao a situacao da seguranca publica carece de fontes Nas eleicoes de 2006 o eleitorado fluminense elegeu Sergio Cabral Filho como o novo governador A vitoria ocorreu no segundo turno apos vencer a ex juiza Denise Frossard apoiada por Cesar Maia Apesar de pertencer ao mesmo partido de Garotinho e Rosinha Partido do Movimento Democratico Brasileiro Cabral vinha dissociando desde a campanha sua imagem da do casal A aproximacao com o presidente Lula a nomeacao de Benedita da Silva e Joaquim Levy para o seu secretariado e a extincao de projetos como o Cheque Cidadao e Jovens pela Paz considerados como marcas registradas do periodo Garotinho Rosinha foram atitudes tomadas por Cabral que sinalizam este distanciamento mas que permitiram ao mesmo alcancar a reeleicao no ano de 2010 carece de fontes Geografia Editar Imagem de satelite do territorio fluminense O estado do Rio de Janeiro faz parte do bioma da Mata Atlantica brasileira tendo em seu relevo montanhas e baixadas localizadas entre a Serra da Mantiqueira e Oceano Atlantico destacando se pelas paisagens diversificadas com escarpas elevadas a beira mar restingas baias lagunas e florestas tropicais Fazendo divisa com os estados de Espirito Santo Sao Paulo e Minas Gerais o Rio de Janeiro e um dos menores estados do pais e o menor da regiao Sudeste O municipio mais setentrional do estado e Porciuncula e o mais meridional Paraty Possui uma costa com 635 quilometros de extensao banhados pelo Oceano Atlantico sendo superada em tamanho apenas pelas costas da Bahia e Maranhao carece de fontes Solos e relevo Editar De um modo geral os solos fluminenses sao relativamente pobres Os solos mais propicios a utilizacao agricola encontram se em Campos dos Goytacazes Cantagalo Cordeiro e em alguns municipios do vale do Rio Paraiba do Sul Existem no estado duas unidades de relevo a Baixada Fluminense que corresponde as terras situadas em geral abaixo de duzentos metros de altitude e o planalto ou Serra Fluminense acima de trezentos metros carece de fontes Pico das Agulhas Negras no Parque Nacional do Itatiaia o ponto mais alto do estado Parque Nacional da Serra dos orgaos com o Dedo de Deus ao fundo A Baixada Fluminense acompanha todo o litoral e ocupa cerca de metade da superficie do estado Apresenta largura variavel bastante estreita entre as baias da Ilha Grande e de Sepetiba alargando se progressivamente no sentido leste ate o Rio Macacu No trecho que passa pela capital erguem se os macicos da Tijuca e da Pedra Branca que atingem altitudes um pouco superiores a mil metros Da Baia da Guanabara ate Cabo Frio a baixada volta a estreitar se numa sucessao de pequenas elevacoes de duzentos a quinhentos metros de altura os chamados macicos litoraneos fluminenses A partir de Cabo Frio alarga se novamente alcancando suas extensoes maximas no delta do Rio Paraiba do Sul carece de fontes Os principais acidentes geograficos do estado sao a Serra do Mar e a Serra da Mantiqueira A primeira recebe diversas denominacoes locais Serra dos orgaos Serra das Araras Serra da Estrela e Serra do Rio Preto Seu ponto culminante e o Pico Maior de Friburgo a 2 316 metros de altitude A serra da Mantiqueira cobre o noroeste do estado ao norte do vale do Rio Paraiba do Sul sendo paralela a Serra do Mar E la que se encontra o pico das Agulhas Negras ponto culminante do estado a 2 791 metros acima do nivel do mar no municipio de Itatiaia Entre as duas serras esta o vale do rio Paraiba do Sul onde a media de altitude cai para 250 metros A nordeste observa se uma serie de morros e colinas de baixas altitudes carece de fontes Vegetacao Editar Parque Nacional da Tijuca A vegetacao original do estado inclui a Mata Atlantica restingas manguezais e campos de altitude Devido a ocupacao agropastoril o desmatamento a modificou sensivelmente Atualmente as florestas ocupam um decimo do territorio fluminense concentrando se principalmente nas partes mais altas das serras Ha grandes extensoes de campos produzidos pela destruicao proprios para a pecuaria e no litoral e no fundo das baias registra se a presenca de manguezais conjunto de arvores chamadas mangues que crescem em terrenos lamacentos carece de fontes As principais unidades de conservacao do estado sao os parques nacionais da Tijuca de Itatiaia da Serra da Bocaina da Serra dos orgaos e da Restinga de Jurubatiba os parques estaduais da Pedra Branca da Ilha Grande e dos Tres Picos e a Area de Protecao Ambiental de Guapimirim carece de fontes Hidrografia Editar Rio Paraiba do Sul em Campos dos Goytacazes Arraial do Cabo na regiao dos Lagos O Rio Paraiba do Sul e o principal rio do estado Nasce em Taubate no estado de Sao Paulo e desemboca no Oceano Atlantico como a maior parte dos rios fluminenses na altura do municipio de Sao Joao da Barra Seus principais afluentes no estado sao o Paraibuna Pomba e o Muriae que possui um importante afluente o Carangola subafluente do rio Paraiba do Sul pela margem esquerda o Piabinha e o Pirai pela margem direita Alem do Paraiba do Sul destacam se de norte para sul os rios Itabapoana que marca fronteira com o Espirito Santo o Macabu que desagua na Lagoa Feia o Macae o Sao Joao o rio Macacu o Mage e o Guandu Os principais acidentes sao a Baia da Ilha Grande a Ilha Grande a Restinga da Marambaia a Baia de Sepetiba e a Baia de Guanabara onde se destaca na paisagem a Enseada de Botafogo Ha um total de 365 ilhas espalhadas pela costa somente no municipio de Angra dos Reis e 65 na baia de Paraty carece de fontes O litoral fluminense e pontilhado por numerosas lagoas antigas baias fechadas por cordoes de areia As mais importantes sao as lagoas Feia a maior do estado Saquarema Marica Marapendi Jacarepagua e Rodrigo de Freitas as tres ultimas no municipio do Rio de Janeiro O estado ainda conta com a maior laguna hipersalina do mundo a Laguna Araruama que e chamada de lagoa por alguns por um erro pois alem de ser salobra tem ligacao com o mar atraves do Canal do Itajuru carece de fontes Clima Editar Rio de Janeiro de acordo com a classificacao climatica de Koppen Predominam no estado do Rio de Janeiro os climas tropical nas baixadas e tropical de altitude nos planaltos Na Regiao Metropolitana do Rio de Janeiro domina o clima tropical semiumido com chuvas abundantes no verao que e muito quente e invernos secos com temperaturas amenas A temperatura media anual e de 22 C a 24 C e o indice pluviometrico fica entre 1 000 a 1 500 milimetros anuais Nos pontos mais elevados da Regiao Serrana observa se o clima tropical de altitude mas com veroes um pouco quentes e chuvosos e invernos frios e secos A temperatura media anual e de 16 C Na maior parte da Serra Fluminense o clima tambem e tropical de altitude mas com veroes variando entre quentes e amenos e na maioria das vezes chuvosos e invernos frios e secos com indice pluviometrico elevado se aproximando dos 2 500 mm anuais em alguns pontos carece de fontes Nas Baixadas Litoraneas a famosa Regiao dos Lagos o clima e tropical maritimo com media anual de cerca de 24 C com veroes moderadamente quentes mas amenizados devido ao vento do mar e invernos amenos E devido ao vento frio trazido pela Corrente das Malvinas que esta regiao e uma das mais secas do Sudeste com precipitacao anual de apenas cerca de 750 mm em cidades como Arraial do Cabo Armacao dos Buzios e Sao Pedro da Aldeia e nao passando de cerca de 1 100 mm nas cidades mais chuvosas da regiao como Saquarema por exemplo Ocasionalmente podem ocorrer precipitacoes de neve nas partes altas da Serra da Mantiqueira dentro dos limites Parque Nacional de Itatiaia Em 1985 foi registrada uma abundante nevada nas proximidades deste pico com acumulacoes de um metro em certos pontos 28 Demografia EditarCrescimento populacionalCenso Pop 18721 057 69618901 399 53532 3 19001 737 47824 1 19202 717 24456 4 19403 611 99832 9 19504 674 64529 4 19606 709 89143 5 19709 110 32435 8 198011 489 79726 1 199112 783 76111 3 200014 367 08312 4 201015 989 92911 3 Est 202017 366 189 29 8 6 Fonte 30 Ver artigo principal Demografia do Rio de Janeiro Ver tambem Lista de municipios do Rio de Janeiro por populacao Religiao Editar De acordo com o censo demografico de 2010 da populacao total do estado existiam 7 324 315 catolicos 45 8 4 696 906 evangelicos 29 4 647 572 espiritas 4 e 2 416 303 pessoas sem religiao 14 6 Existem ainda adeptos aos islamismo judaismo budismo hinduismo esoterismo e neo paganismo Juntos os adeptos destas e outras religioes minoritarias somam 711 651 pessoas 4 3 O Rio de Janeiro e o estado com o menor percentual de catolicos apostolicos romanos e o estado com o maior percentual de pessoas sem religiao como ateus e agnosticos Alem disso e o estado com o maior percentual de espiritas do Brasil A variedade de denominacoes e uma marca da presenca da diversidade religiosa no perfil demografico do estado 31 Composicao etnica Editar O estado do Rio de Janeiro e formado por enorme gama de etnias e povos das mais variadas procedencias principalmente pelo fato de sua capital ter sido durante um longo periodo a capital do estado brasileiro Inicialmente a populacao do estado do Rio de Janeiro foi marcada pela presenca de povos indigenas assim como toda a costa brasileira No inicio do seculo XVI habitavam o Rio de Janeiro quatro grandes grupos indigenas classificados de acordo com seu grupo linguistico tupis guaranis que habitavam o litoral e constituiam diversas tribos como os tupinambas ou tamoios e os Tupiniquins puri coroado maxakali e botocudo da lingua macro je que habitavam o interior sobretudo a bacia hidrografica do Rio Paraiba do Sul os goitacases que habitavam a foz do rio Paraiba do Sul as tribos guaianas ou Goianas que viviam no litoral sul entre Angra dos Reis e Paraty e na Ilha Grande Com a colonizacao as tribos indigenas foram extintas Em 30 de maio de 1902 na paroquia de Santo Antonio de Padua no municipio de mesmo nome foi registrado o ultimo obito de indio natural do estado do Rio de Janeiro Joaquina Maria Pury Em fins da decada de 1940 guaranis migraram para a regiao das cidades de Angra dos Reis e Paraty Eles so vieram a ser descobertos pelo governo federal em 1974 com a construcao da Rodovia Rio Santos Atualmente os quinhentos guaranis do estado vivem em tres aldeias Sapukai Itatiim e Araponga Cor Raca PopulacaoBrancos 7 579 023 47 4 Pardos 6 332 408 39 6 Pretos 1 937 291 12 1 Amarelos Indigenas e nao declarados 141 207 0 9 Fonte IBGE 2010 Censo no Rio de Janeiro em 2010 No seculo XVI desembarcam na regiao os franceses que na Baia da Guanabara instalam uma colonia de refugiados religiosos Logo em seguida os portugueses invadem a regiao e na guerra com os franceses saem vitoriosos sendo fundada a Cidade do Rio de Janeiro pelo portugues Estacio de Sa Nos seculos seguintes a populacao da regiao e formada basicamente por portugueses e africanos trazidos a forca pelos portugueses na condicao de escravos Ate meados do seculo XIX a maioria da populacao fluminense era composta por negros porem o numero de imigrantes portugueses desembarcados na cidade do Rio de Janeiro passou a crescer repentinamente naquele seculo o que fez com que praticamente se igualasse o numero de pessoas de origem africana e as de origem portuguesa Posteriormente outros povos contribuiram para a formacao da populacao do estado como alemaes italianos suicos espanhois dentre outros aos quais se somaram os brasileiros de todos os estados atraidos pela capital do pais ate a decada de 1960 a cidade do Rio de Janeiro Os primeiros imigrantes nao portugueses a chegar a regiao foram os suicos em 1818 fundando na regiao das serras a cidade de Nova Friburgo Pouco mais tarde comecariam a chegar os alemaes e os britanicos que tambem rumaram para as serras principalmente para a regiao de Petropolis Italianos e espanhois chegariam mais tarde contribuindo tambem para a diversidade etnica fluminense carece de fontes Municipios mais populosos EditarPolitica e administracao Editar Palacio Guanabara sede do governo estadual Palacio Tiradentes sede da Assembleia Legislativa Por ser a capital do estado a cidade do Rio de Janeiro tambem e sede do governo fluminense A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro ALERJ e o orgao de poder legislativo estadual 33 e esta sediada no Palacio Tiradentes 34 onde anteriormente funcionou a Camara dos Deputados do Brasil no Centro da cidade 35 O Palacio Guanabara anteriormente conhecido como Paco Isabel fica em Laranjeiras na zona sul da Capital e a sede oficial do poder executivo fluminense O Palacio Guanabara nao deve ser confundido com o Palacio Laranjeiras situado no mesmo bairro na Rua Paulo Cesar Andrade 407 que e a residencia oficial do governador do Rio de Janeiro 36 O Tribunal de Justica do Estado do Rio de Janeiro TJRJ e o orgao maximo do poder judiciario do estado Seu forum central esta localizada no Centro do Rio de Janeiro mas de 2013 a julho de 2018 algumas das varas judiciais deste foro foram deslocadas para a Cidade Nova 37 Subdivisoes EditarRegioes geograficas intermediarias e imediatas Editar O estado do Rio de Janeiro e composto por 92 municipios que estao distribuidos em 14 regioes geograficas imediatas que por sua vez estao agrupadas em cinco regioes geograficas intermediarias segundo a divisao do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica IBGE vigente desde 2017 38 As regioes geograficas intermediarias foram apresentadas em 2017 com a atualizacao da divisao regional do Brasil e correspondem a uma revisao das antigas mesorregioes que estavam em vigor desde a divisao de 1989 As regioes geograficas imediatas por sua vez substituiram as microrregioes 39 Oficialmente as cinco regioes intermediarias do estado sao Rio de Janeiro Volta Redonda Barra Mansa Petropolis Campos dos Goytacazes e Macae Rio das Ostras Cabo Frio O estado tambem e dividido em quatorze regioes imediatas Rio de Janeiro Angra dos Reis Rio Bonito Volta Redonda Barra Mansa Resende Valenca Petropolis Nova Friburgo Tres Rios Paraiba do Sul Campos dos Goytacazes Itaperuna Santo Antonio de Padua Cabo Frio Macae Rio das Ostras Ao todo o Rio de Janeiro e dividido em 92 municipios Divisao das regioes intermediarias em vermelho e das imediatas em cinza no Estado do Rio Municipios Economia Editar Exportacoes do Rio de Janeiro 2012 40 Grande parte da economia do estado do Rio de Janeiro se baseia na prestacao de servicos tendo uma parte significativa da industria e pouca influencia no setor de agropecuaria que responde por apenas 0 4 do produto interno bruto fluminense e e apoiada quase integralmente na producao de hortalicas da Regiao Serrana e do Norte Fluminense No passado cana de acucar e depois o cafe ja tiveram consideravel impacto na economia fluminense carece de fontes A area no entorno de Campos dos Goytacazes foi a mais impactada com a queda da cana de acucar no inicio do seculo XX Campos possuia 27 usinas funcionando e ao longo do seculo foi uma das maiores produtoras do Brasil porem em 2020 apenas duas usinas de acucar operavam na cidade 41 O estado que colhia cerca de 10 milhoes de toneladas nos anos 1980 42 chegou a colher apenas 1 milhao de toneladas em 2017 quando comecou a se recuperar colhendo 1 8 milhoes de toneladas na safra de 2019 20 43 Na agricultura o estado do Rio atualmente se destaca em poucos produtos como o abacaxi onde e o 4º maior produtor do pais 116 milhoes de frutos em 2019 44 que e produzido nas cidades de Sao Francisco de Itabapoana Sao Joao da Barra Campos dos Goytacazes e Quissama 45 Tem pequenas producoes de mandioca 216 mil toneladas em 2019 20º lugar no pais 46 banana 76 mil toneladas em 2019 20º lugar no pais 47 laranja 68 mil toneladas em 2019 10º lugar no pais 48 tangerina 37 mil toneladas em 2019 5º lugar no pais 49 limao 20 mil toneladas em 2019 5º lugar no pais 50 e caqui onde tem 6 da producao nacional sendo o 4º lugar no pais 51 O estado tambem ja foi um grande produtor de coco nas areas de Quissama e da Regiao dos Lagos e em 2009 era o 7º maior produtor nacional mas entre 2010 e 2020 varios produtores abandonaram a atividade 52 53 No ano de 2012 o Rio de Janeiro foi o segundo estado que mais exportou no pais como a participacao de 12 88 54 com destaque para os produtos Petroleo Cru 64 21 Petroleo Refinado 6 07 Produtos Semimanufaturados de Ferro 4 79 Plataformas de Perfuracao 2 33 e Outras Ligas de Aco em Lingotes ou Outras Formas Primarias 2 09 40 O estado do Rio de Janeiro e a segunda maior economia do Brasil atras do estado de Sao Paulo e a quarta da America do Sul tendo um Produto Interno Bruto superior ao do Chile com uma participacao no produto interno bruto nacional de 15 8 2005 Fundacao Centro de Informacoes e Dados do Rio de Janeiro e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica 55 Industria Editar Plataforma petrolifera P 51 da Petrobras na bacia de Campos Imagem aerea do Estaleiro Maua em Niteroi O Rio de Janeiro tinha em 2018 um PIB industrial de R 150 bilhoes equivalente a 11 4 da industria nacional e empregando 580 334 trabalhadores na industria Os principais setores industriais do Rio sao Extracao de Petroleo e Gas Natural 25 9 Derivados do Petroleo e Biocombustiveis 18 7 Construcao 15 5 Servicos Industriais de Utilidade Publica como Energia Eletrica e Agua 10 6 e Metalurgia 4 2 Estes 5 setores concentram 74 9 da industria do estado 56 Com 37 5 do produto interno bruto vem o setor industrial metalurgica siderurgica gas quimica petroquimica naval automobilistica audiovisual cimenteira salineira alimenticia mecanica editorial textil grafica de papel e celulose de extracao mineral extracao e refino de petroleo A industria quimica e farmaceutica tambem ocupa papel de destaque na economia fluminense Segundo dados da Associacao Comercial do Rio de Janeiro dos 250 laboratorios existentes no pais 80 operam no estado com destaque para Merck Glaxo Roche Arrow Barrenne Casa Granado Darrow Laboratorios Gross Baxter Schering Plough Musa Daudt Lundbeck Mayne e Mappel A Fundacao Oswaldo Cruz Fiocruz localizada no bairro carioca de Manguinhos e o maior laboratorio publico da America Latina e um dos maiores do mundo e ocupa posicao de destaque na pesquisa de remedios para diversas molestias A Ceras Johnson fabricante de varios produtos de limpeza e desinfetantes tambem tem sede no Rio de Janeiro No sul do estado tambem se localiza um importante parque industrial com destaque para a Companhia Siderurgica Nacional sediada em Volta Redonda PSA Peugeot Citroen Volkswagen Caminhoes e Onibus MAN Coca Cola Companhia Fluminense de Refrigerantes a fabricante de vidros Guardian do Brasil Galvasud Industrias Nucleares do Brasil Michelin White Martins a Industria Nacional de Acos Laminados Companhia Estanifera Brasileira Usinas Nucleares Angra 1 2 e 3 entre outras A Nissan tambem ira construir uma nova fabrica no municipio de Resende no sul do estado 57 Companhia Siderurgica Nacional em Volta Redonda Fabrica da Brasil Kirin em Cachoeiras de Macacu O estado tambem abriga o segundo maior polo cervejeiro do pais Petropolis e a sede de algumas das maiores cervejarias do pais como o Grupo Petropolis e a Cervejaria Bohemia desambiguacao necessaria Alem disso inumeras fabricas se espalham pelo estado 58 No que diz respeito a industria do sal a Regiao dos Lagos e a segunda maior regiao produtora do Brasil perdendo apenas para a regiao do Polo Costa Branca localizado no estado do Rio Grande do Norte No municipio de Cabo Frio esta sediada a Refinaria Nacional de Sal que e uma das principais industrias salineiras do pais No setor de petroleo estao sediadas no Rio de Janeiro as maiores empresas do pais incluindo a maior companhia brasileira a Petrobras Alem dela Shell Esso Petroleo Ipiranga e El Paso Corporation mantem suas sedes e centros de pesquisa no estado Juntas todas estas empresas produzem mais de quatro quintos dos combustiveis distribuidos nos postos de servico do pais O governo do estado monitora a producao de petroleo e gas atraves do Centro de Informacoes sobre o Petroleo e Gas Natural do Estado do Rio de Janeiro Servicos Editar Panorama da regiao central da cidade do Rio de Janeiro Reproducao do rio Ganges para a telenovela Caminho das Indias na cidade cenografica dos Estudios Globo Os servicos representam 62 1 do produto interno bruto do estado em areas como telecomunicacoes audiovisual tecnologia da informacao TI turismo turismo de negocios ecoturismo seguros e comercio O estado e a sede da maior parte das operadoras de telefonia do pais como TIM Brasil Oi Telemar Oi e Telemar sao do mesmo grupo Embratel Vesper a Embratel e Vesper tambem sao do mesmo grupo e Intelig recentemente adquirida pelo grupo TIM O estado tambem ocupa posicao de destaque no setor de vendas a varejo sendo sede de grandes cadeias de lojas como Lojas Americanas Ponto Frio e Casa amp Video carece de fontes O Estado do Rio de Janeiro e mais especificamente sua capital sao frequentemente associados a producao audiovisual Segundo dados do Ministerio da Cultura cerca de 80 das produtoras cinematograficas do pais tem sede no estado e e da mesma proporcao a producao de filmes do estado em relacao ao total nacional 59 O Rio de Janeiro abriga atualmente a maior parte dos estudios de dublagem de filmes e series estrangeiras Na capital do estado ficava a Herbert Richers maior empresa de traducao e dublagem do Brasil 60 A cidade do Rio de Janeiro e o berco e quartel general do Grupo Globo maior conglomerado de empresas de comunicacoes e producao cultural da America Latina 61 Tambem estao sediadas no Rio de Janeiro a Rede Globo de Televisao a Globosat maior empresa de televisao geradora de conteudo por assinatura do pais a Radio Globo e o jornal O Globo primeira empresa da holding 61 Tambem esta presente o Casablanca Estudios complexo de estudios de producao e teledramaturgia da RecordTV 62 Tambem se sediou no Rio de Janeiro a Rede Manchete fundada em 1983 e extinta em 1999 63 O estado e especificamente a cidade do Rio de Janeiro ultimamente tem se destacado como cenario para filmes estrangeiros principalmente norte americanos 64 Infraestrutura EditarEducacao Editar Campus do Gragoata da Universidade Federal Fluminense UFF em Niteroi O estado do Rio de Janeiro possui um dos maiores niveis de educacao no Brasil 65 Apesar da precariedade os estudos mostram que a nivel nacional escolas publicas fluminenses possuiram bons indices de aproveitamento no ultimo censo 66 De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica em 2000 o Rio de Janeiro era o terceiro estado brasileiro por numero de pessoas acima de quinze anos alfabetizadas com apenas 6 6 de sua populacao nessa faixa etaria analfabeta O estado estava atras apenas do Distrito Federal 5 7 e do estado de Santa Catarina 6 3 67 Dados divulgados pelo mesmo instituto em 2008 indicam que o Rio e hoje o segundo estado do Brasil por numero de pessoas acima de quinze anos alfabetizadas com apenas 4 3 dessa sua populacao analfabeta perdendo apenas para o Distrito Federal Entretanto em relacao ao indice de analfabetos funcionais 14 4 o estado perde para o Distrito Federal 10 9 e para Sao Paulo 14 ficando na terceira posicao na lista carece de fontes O estado possui um bom numero de universidades federais do Brasil sendo elas Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro As demais Universidade do Estado do Rio de Janeiro Universidade Estadual da Zona Oeste Universidade Estadual do Norte Fluminense tambem possuem grande destaque e sao mantidas pelo governo do Estado do Rio de Janeiro 68 Cidade Universitaria da Universidade Federal do Rio de Janeiro vista a partir da Igreja da Penha ao centro o Hospital Universitario Clementino Fraga Filho e ao fundo a Baia de Guanabara Seguranca publica Editar Viaturas da Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro PMERJ Quartel do Comando Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro CBMERJ A Policia Militar do Estado do Rio de Janeiro PMERJ tem por funcao primordial o policiamento ostensivo e a preservacao da ordem publica fluminense Para fins de organizacao e uma forca auxiliar e reserva do Exercito Brasileiro assim como suas co irmas e integra o Sistema de Seguranca Publica e Defesa Social brasileiro e esta subordinada ao Governo do Estado do Rio de Janeiro atraves da Secretaria Estadual de Seguranca SESeg Foi criada em 1809 por dom Joao 6º e possui atualmente aproximadamente 52 000 militares Sua principais unidades sao o Batalhao de Operacoes Policiais Especiais BOPE o Batalhao de Policia de Choque BPChq o Grupamento Aeromovel entre outras cabendo citar seu principal centro de formacao a Academia de Policia Militar Dom Joao VI carece de fontes O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro CBMERJ e uma corporacao cuja principal missao consiste na execucao de atividades de defesa civil prevencao e combate a incendios buscas salvamentos e socorros publicos no ambito fluminense sendo tambem forca auxiliar e reserva do Exercito subordinada ao Governo do Estado do Rio de Janeiro por meio da Secretaria Estadual de Defesa Civil SEDeC Foi criado em 1856 por Dom Pedro II possuindo hoje cerca de 15 500 militares carece de fontes A Policia Civil do Estado do Rio de Janeiro PCERJ e uma das policias deste estado orgao do sistema de seguranca publica ao qual compete nos termos do artigo 144 4º da Constituicao Federal e ressalvada competencia especifica da Uniao as funcoes de policia judiciaria e de apuracao das infracoes penais exceto as de natureza militar 69 Foi criada em 1808 e possui cerca de 11 000 policiais carece de fontes Cultura EditarMuseus e espacos culturais Editar Museu Imperial em Petropolis Entre os principais museus do estado estao o Museu de Arte do Rio MAR 70 Museu Nacional 71 Museu Historico de Campos dos Goytacazes 72 Museu Imperial de Petropolis 73 Museu Nacional de Belas Artes 74 o Museu Historico Nacional 75 o Museu da Republica 76 o Museu da Chacara do Ceu Museus Castro Maya 77 o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro 78 o Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro Museu do Amanha Centro Cultural Banco do Brasil CCBB RJ 79 o Museu da Vida da Fundacao Oswaldo Cruz o Museu de Arte Contemporanea de Niteroi Museu da Aviacao Naval unico do genero no Brasil e o do Forte de Copacabana O Museu de Arte Contemporanea de Niteroi e conhecido pela sua arquitetura exterior que lembra bastante o formato de um calice ou um disco voador O MAC possui quatro andares e aproximadamente 2 500m com espacos de exposicoes e galerias mas tambem tem um restaurante e um auditorio Atraves das janelas montadas a um angulo de 40 voce pode curtir um vista panoramica do Rio de Janeiro do Pao de Acucar e da Baia de Guanabara 80 A capital fluminense na Barra da Tijuca conta tambem desde 2013 com a Cidade das Artes um complexo que abriga a maior sala de concertos da America Latina 81 Cinema Editar Ver artigo principal Cinema brasileiro Em 2006 65 da producao do cinema nacional foi realizada por produtoras sediadas na capital fluminense 82 que possui tambem cerca de 180 salas de cinema maior proporcao do pais entre as capitais e a maior proporcao tambem de museus 80 no total e 43 teatros carece de fontes Esportes Editar Final do Campeonato Carioca de 2017 no setor Sul do Maracana parte da torcida do Fluminense Assim como em outras unidades da federacao brasileiras todos os anos e realizado o Campeonato Estadual de Futebol O campeonato do atual Estado do Rio de Janeiro e disputado desde 1979 apos a fusao dos estados da Guanabara e do antigo estado do Rio de Janeiro cuja capital era Niteroi Ate entao existiam os campeonatos Carioca e Fluminense alem do Fluminense de Selecoes Os quatro principais clubes de futebol do Rio de Janeiro sao os clubes de futebol Botafogo Flamengo Fluminense e Vasco da Gama Os quatro estao entre os mais tradicionais do Brasil e possuem performances mais destacadas que os outros clubes que representam o Estado do Rio de Janeiro em competicoes nacionais e internacionais 83 84 85 86 87 A cidade do Rio de Janeiro sede dos quatro grandes e aquela que reunia mais clubes profissionais no Brasil em 2018 um total de 28 clubes contra 9 clubes de Belem a segunda colocada com o Estado do Rio de Janeiro tendo 69 clubes em todas as suas divisoes nesse ano 88 Ver tambem Editar Ver tambem a categoria FluminensesInterior do Rio de Janeiro Sistema rodoviario do estado do Rio de Janeiro Lista de municipios do Rio de Janeiro Lista de municipios do Rio de Janeiro por populacao Lista de municipios do Rio de Janeiro por IDH Mapa de Cultura do Estado do Rio de JaneiroNotas Wilson Witzel foi afastado temporariamente do cargo em 28 de agosto de 2020 por determinacao do Superior Tribunal de Justica em razao de denuncia de crime de responsabilidade fraudes e irregularidades Em 23 de setembro uma votacao na ALERJ decidiu pela admissibilidade do processo de impeachment Em 30 de abril de 2021 o processo foi julgado e Witzel foi definitivamente afastado do cargo assumindo oficialmente seu vice Claudio Castro sendo este empossado no dia seguinte 1º de maio de 2021 1 Com o impeachment do governador Wilson Witzel em 30 de abril de 2021 seu vice Claudio Castro assumiu o cargo de governador Logo apos o vice governador encontra se na linha de sucessao do governo o entao presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro Referencias Witzel sofre impeachment e perde o cargo de governador do Rio Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica IBGE Area Territorial Oficial Consulta por Unidade da Federacao Consultado em 29 de agosto de 2021 IBGE IBGE 27 de agosto de 2021 Estimativas da populacao residente no Brasil e Unidades da Federacao com data de referencia em 1º de julho de 2021 PDF ibge gov br Consultado em 28 de agosto de 2021 Sistema de Contas Regionais Brasil 2018 PDF Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica IBGE Consultado em 16 de novembro de 2020 Tabua completa de mortalidade para o Brasil 2015 PDF IBGE Consultado em 2 de dezembro de 2016 Sinopse do Censo Demografico 2010 IBGE Consultado em 2 de dezembro de 2016 IPEA Instituto de Pesquisa Economica Aplicada Evolucao do IDHM e de Seus Indices Componentes no periodo de 2012 a 2017 PDF Grafico 7 pagina 25 Consultado em 18 de abril de 2019 carioca no dicionario Michaelis A origem dos bairros cariocas PACIEVITCH Thais Geografia do Rio de Janeiro Geografia do Rio de Janeiro InfoEscola Consultado em 23 de setembro de 2016 BUENO E Brasil uma historia 2ª edicao Sao Paulo Atica 2003 p 12 15 BUENO E Brasil uma historia 2ª edicao Sao Paulo Atica 2003 p 19 Cintra Jorge Pimentel 27 de abril de 2016 A formacao do territorio da capitania do Rio de Janeiro Acervo 29 1 jan Jun 67 81 a b MATTOS Lucio Goncalves de 1995 Sintese da documentacao historico administrativa e geografica dos estados do Brasil S l Ministerio do Planejamento e Orcamento Fundacao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica Centro de Documentacao e Disseminacao de Informacoes Departamento de Documentacao e Biblioteca ISBN 9788524005466 Macedo J M de 1876 Brazilian biographical annual em ingles 2 Rio de Janeiro Typographia e lithographia do Imperial Instituto Artistico pp 121 122 edittip 2 de fevereiro de 2014 Capitania real da Terra e do Territorio no Imperio Portugues Consultado em 10 de maio de 2017 Coaracy Vivaldo 2009 O Rio de Janeiro no Seculo XVII S l Documenta Historica Editora Ltda Enders Armelle 26 de fevereiro de 2015 A historia do Rio de Janeiro S l Gryphus Editora ISBN 9788583110347 A presenca portuguesa no Rio da Prata 1678 1777 PDF Christian Luders Pedro 6 de marco de 2017 Portugal e o comercio do Rio da Prata 1640 1680 Lessa Carlos 2000 O Rio de Todos os Brasis Rio de Janeiro Record Lucas Jorge Alexandre 1 de janeiro de 2014 Somos todos cariocas identidade e pertencimentos no mundo globalizado Revista Cientifica Ciencia em Curso em frances 3 2 111 123 ISSN 2317 0077 a b c ABREU Alzira Alves de BELOCH Israel LATTMAN WELTMAN Fernando LAMARAO Sergio Tadeu de Niemeyer 2001 Dicionario Historico Biografico Brasileiro pos 1930 2ª ed Rio de Janeiro FGV Consultado em 29 de novembro de 2016 MELLO Maria Luisa de 27 de novembro de 2012 Ha 30 anos JB revelou escandalo do Proconsult e derrubou fraude na eleicao Pais Jornal do Brasil Consultado em 29 de novembro de 2016 REMIGIO Marcelo 20 de maio de 2015 Brizola de governador gaucho a deputado federal e governador do Rio de Janeiro duas vezes Acervo O Globo O Globo Consultado em 29 de novembro de 2016 REDACAO 16 de junho de 2006 Relembre algumas acoes das Forcas Armadas no Rio de Janeiro Rio O Globo Consultado em 29 de novembro de 2016 AGENCIA Estadao 26 de junho de 2002 Medidas para conter violencia no Rio foram adotadas em 1994 Brasil Estadao Consultado em 29 de novembro de 2016 Parque Nacional de Itatiaia Consultado em 25 de fevereiro de 2014 Arquivado do original em 4 de dezembro de 2014 IBGE 1 de julho de 2020 Estimativas da populacao residente no Brasil e unidades da federacao com data de referencia em 1 º de julho de 2020 PDF Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica Consultado em 12 de julho de 2021 Copia arquivada PDF em 25 de abril de 2021 INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA 2011 Sinopse do Censo Demografico 2010 PDF Rio de Janeiro IBGE p 67 68 ISBN 978 85 240 4187 7 Consultado em 2 de dezembro de 2016 Copia arquivada PDF em 24 de setembro de 2015 Censo 2010 Religioes IBGE 2010 Panorama do estado do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica IBGE Consultado em 13 de maio de 2020 Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro www alerj rj gov br Consultado em 4 de julho de 2021 Linha do Tempo Alerj Palacio Tiradentes www palaciotiradentes rj gov br Consultado em 4 de julho de 2021 O Globo 17 de novembro de 2017 Palacio Tiradentes e palco da posse de presidentes de Washington Luis a JK Historia do Palacio Guanabara por Felipe Lucena Diario do Rio 4 de outubro de 2015 destakjornal 20 de julho de 2018 TJRJ conclui segunda etapa de reforma do Forum Central Consultado em 29 de julho de 2018 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica IBGE 2017 Base de dados por municipios das Regioes Geograficas Imediatas e Intermediarias do Brasil Consultado em 20 de janeiro de 2018 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica IBGE 2017 Divisao Regional do Brasil Consultado em 20 de janeiro de 2018 Copia arquivada em 20 de janeiro de 2018 a b Exportacoes do Rio de Janeiro 2012 Plataforma DataViva Consultado em 13 de janeiro de 2014 Arquivado do original em 12 de fevereiro de 2015 Amarga decadencia do acucar Terceira Via Terceira Via Terceira Via 26 de janeiro de 2020 Consultado em 4 de julho de 2021 Coagro Coagro espera a melhor safra da cana de acucar dos ultimos quatro anos www coagro coop br Consultado em 4 de julho de 2021 Conab Pagina inicial www conab gov br Consultado em 4 de julho de 2021 Producao brasileira de abacaxi em 2019 Producao de Abacaxi cresce no Estado do Rio de Janeiro Producao brasileira de mandioca em 2019 Producao brasileira de banana em 2019 Producao brasileira de laranja em 2019 Producao brasileira de tangerina em 2019 Producao brasileira de limao em 2019 Campo amp Negocios 17 de maio de 2019 Caqui Panorama nacional da producao Revista Campo amp Negocios Consultado em 4 de julho de 2021 Coco capixaba domina o mercado carioca no verao Seculo Diario Consultado em 4 de julho de 2021 Junior Manuel Alberto Gutierrez Cuenca Carlos Roberto Martins Luciano Alves de Jesus Estatistica da producao www agencia cnptia embrapa br Consultado em 4 de julho de 2021 Exportacoes do Brasil por Estado 2012 Plataforma DataViva Consultado em 13 de janeiro de 2014 Arquivado do original em 10 de outubro de 2014 DO UOL em Sao Paulo 22 de novembro de 2013 Tres Estados concentram mais da metade do PIB do pais diz IBGE UOL Economia UOL Consultado em 28 de novembro de 2016 CNI Perfil da Industria nos Estados perfil portaldaindustria com br Consultado em 4 de julho de 2021 Presidente da Nissan confirma a Dilma nova fabrica no Rio Polo cervejeiro MORAES Camila 28 de outubro de 2014 Rio Hollywood a brasileira Cultura El Pais Brasil Consultado em 28 de novembro de 2016 BRISO Caio Barretto 24 de outubro de 2012 O segundo adeus de Herbert Richards Cotidiano Veja Rio Consultado em 28 de novembro de 2016 a b GLOBO Comunicacoes e Participacoes S A Historia Grupo Globo Historia Grupo Globo Globo com Consultado em 28 de novembro de 2016 AZZALI Leonardo 25 de maio de 2015 RecNov e a nova sede da Record no Rio de Janeiro saiba mais RD1 Consultado em 28 de novembro de 2016 DIAS Bruno 23 de junho de 2007 Predio da Rede Manchete do Rio de Janeiro vai a leilao Consultor Juridico Consultado em 28 de novembro de 2016 JANOT Bruno 9 de outubro de 2014 Assim como Trash veja outros filmes estrangeiros no Rio de Janeiro Purebreak Consultado em 28 de novembro de 2016 RJ sobe 11 posicoes no Ideb e tem a terceira melhor nota no ranking G1 5 de setembro de 2014 Consultado em 21 de setembro de 2016 Rio tem 23 entre as 100 melhores escolas do Enem O Dia 22 de dezembro de 2014 Consultado em 21 de setembro de 2016 IBGE Anuario estatistico do Brasil 2001 p 2 81 Citado em ADAS Melhem e ADAS Sergio Panorama Geografico do Brasil 4 ed Sao Paulo Editora Moderna 2004 Universidades Secretaria de Estado de Educacao SEEDUC Governo do Rio de Janeiro Consultado em 28 de novembro de 2016 Constituicao Federal artigo 144 Da Seguranca Publica Museu de Arte do Rio MAR Mapa de Cultura RJ Museu Nacional Mapa de Cultura RJ Museu Historico de Campos dos Goytacazes Mapa de Cultura RJ Museu Imperial Mapa de Cultura RJ Museu Nacional de Belas Artes Mapa de Cultura RJ Museu Historico Nacional Mapa de Cultura RJ Museu da Republica Mapa de Cultura RJ Museu Chacara do Ceu Mapa de Cultura RJ Museu de Arte Moderna MAM Mapa de Cultura RJ Centro Cultural Banco do Brasil Mapa de Cultura RJ Agencia Heidelberg Rio de Janeiro Arquivado do original em 2 de abril de 2015 Copia arquivada Consultado em 2 de maio de 2008 Arquivado do original em 20 de abril de 2008 Instituto Nacional de Altos Estudos INAE Estudos e Pesquisas N 180 10 de maio de 2007 Consultado em 14 de julho de 2008 Arquivado do original em 12 de fevereiro de 2009 GLOBOPLAY Equipe do site 24 de fevereiro de 2011 Presidentes dos 4 grandes clubes cariocas anunciam oficialmente a saida do Clube dos 13 Site Globoplay Consultado em 24 de fevereiro de 2017 ESPORT EINTERATIVO Equipe do site 14 de janeiro de 2016 Confira as perspectivas dos quatro grandes clubes do Rio de Janeiro para a temporada de 2016 Site Esporte Inetrativo Consultado em 24 de fevereiro de 2017 TARGINO Mauricio 18 de maio de 2012 O G 12 brasileiro Site deprimeira Consultado em 17 de outubro de 2016 RODRIGUES Rodolfo e GINI Paulo Villena 3 de agosto de 2009 Livro A historia das camisas dos 12 maiores times do Brasil Panda Books Consultado em 26 de dezembro de 2013 CS1 manut Nomes multiplos lista de autores link Site da revista PLACAR Livro sobre camisa dos 12 grandes clubes do Brasil ganha versao atualizada pagina editada em 13 de dezembro de 2016 e disponivel em 31 de dezembro de 2016 AZEVEDO Rafael Luis Quais as 8 cidades com mais clubes profissionais no Brasil Fizemos o ranking pagina editada em 23 de novembro de 2018 e disponivel em 30 de janeiro de 2019 Ligacoes externas EditarOutros projetos Wikimedia tambem contem material sobre este tema Livros e manuais no Wikilivros Citacoes no Wikiquote Categoria no Commons Categoria no Wikinoticias Guia turistico no Wikivoyage Base de dados no WikidataCommons Wikiquote Wikilivros Wikinoticias Wikivoyage Governo do Estado do Rio de Janeiro Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro Tribunal de Justica do Estado do Rio de Janeiro Ministerio Publico do Estado do Rio de Janeiro Portal da regiao Sudeste do Brasil Portal do Rio de Janeiro Portal do BrasilObtida de https pt wikipedia org w index php title Rio de Janeiro estado amp oldid 61933347,